DIREçãO DA OAB/MT PEDE QUE CONSELHO FEDERAL REAPLIQUE SEGUNDA FASE DO EXAME DA ORDEM EM MT
04.06.2014

 

Direção da OAB/MT pede que Conselho Federal reaplique segunda fase do Exame da Ordem em MT

Depois da reclamação dos candidatos que prestaram a segunda etapa avaliativa do Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Cuiabá no último domingo (1) às escuras devido à queda de energia no local de prova, o presidente da OAB/MT, Maurício Aude, solicitou ao Conselho Federal que a prova seja reaplicada.

Em nota a diretoria da OAB/MT informou que na manhã desta quarta-feira (4.6) já entrou em contato com a Comissão Nacional do Exame de Ordem, requerendo a reaplicação da segunda fase do XIII Exame de Ordem Unificado em Mato Grosso em virtude da falta de energia que ocorreu na Faculdade Unirondon, em Cuiabá, local onde a prova foi aplicada.
“Entramos com o requerimento junto ao Conselho Federal, mas, por uma questão de logística ainda não sabemos em que data a nova prova será aplicada”, afirmou o presidente em entrevista ao Olhar Jurídico.

Segundo Aude, os candidatos reprovados não podem ser prejudicados. “A grande maioria dos inscritos já estava ansiosa com o início da prova e, de repente, faltou energia, tirando ainda mais a atenção de cada um. Por mais que os fiscais tenham prorrogado o exame em uma hora, não foi suficiente, até mesmo porque muitos candidatos, diante do ocorrido, terminaram a prova antes do horário previsto e não ficaram sabendo que haveria essa compensação de horário”. Maurício Aude acrescentou que um pedido semelhante foi feito em Ipatinga, Minas Gerais, e houve a aplicação de outra prova.

O secretário-geral da Ordem e presidente da Comissão de Estágio e Exame de Ordem, Daniel Paulo Maia Teixeira, informou que o Conselho Federal decidirá o pedido junto com a Fundação Getúlio Vargas, responsável pela confecção das provas. “Estamos trabalhando no sentido de anular a prova do último domingo e possibilitar uma segunda chance aos candidatos que foram prejudicados com o apagão. Por isso, nossa expectativa é a de que em Mato Grosso aconteça o mesmo de Ipatinga, isto é, avaliem e acatem nosso pedido o mais rápido possível e que já nos respondam com uma nova data para o exame”.

Rodrigo Silva, estudante da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), participou do Exame. Nesta segunda-feira (02), em contato com a reportagem do Olhar Jurídico, Rodrigo comentou sobre os problemas referentes à logística empregada pela OAB-MT. Segundo o aluno, uma simples chuva foi capaz de provocar uma queda de energia com duração aproximada de 1h30. A falta de luminosidade acabou prejudicando nas respostas da prova e na consulta ao livro vade mecum.

O também estudante da UFMT, Davi Garon, falou sobre as dificuldades enfrentadas no Exame. “Foi complicado, a energia acabou e a luminosidade natural era praticamente inexistente”, comentou. Garon ainda expôs outros problemas estruturais do local escolhido pela OAB-MT. Segundo o estudante, goteiras que caiam dentro das sala atrapalhavam quem estava presente.

Leonardo Maia participou da segunda fase do XIII Exame de Ordem Unificado e relatou as mesmas queixas. Na opinião de Leonardo qualquer estrutura que vá receber algo de tamanha importância deve estar preparada. Segundo ele todo o tempo perdido durante o apagão foi reposto, porém, o problema seria o desgaste psicológico enfrentado. “Os avaliados tiveram que aguardar o restabelecimento da energia elétrica ou poderiam fazer a prova no escuro. Pelo nervosismo, muita gente entregou a prova em branco”.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade