EX-SECRETáRIO DE MT FAZ 4ª TENTATIVA DE DEIXAR PRISãO, ANUNCIA ADVOGADO
30.06.2014

Acusado de crimes financeiros, fraude e lavagem de dinheiro, o ex-secretário de estado Éder Moraes (PMDB) está em sua quarta tentativa de deixar a carceragem da Papuda, no Distrito Federal, onde se encontra preso há mais de um mês por conta da operação Ararath. A informação é do advogado Fábio Lessa, que declarou ao G1 estar aguardando o parecer sobre um Habeas Corpus em favor de Éder protocolado no Superior Tribunal de Justiça no último dia 25.

Segundo explicou o advogado, o argumento que embasa o Habeas Corpus é o mesmo já utilizado nas demais tentativas de retirar Éder Moraes da prisão, o de que não há necessidade de se manter o ex-secretário em cárcere porque ele não atrapalhou e nem teria como atrapalhar as investigações da operação Ararath.

O advogado complementou que também aguarda o parecer do Supremo Tribunal Federal (STF) a respeito de uma reclamação feita na tramitação do inquérito 3842, referente às investigações da Ararath e atualmente sob relatoria do ministro Dias Toffoli. O caso está no Supremo devido à citação, durante as investigações, do ex-governador de Mato Grosso Blairo Maggi (PR), que possui prerrogativa de foro por ser senador da República.

Operação Ararath (Foto: G1.com.br)

Investigações
A Ararath apura um suposto esquema de transações fraudulentas e ilegais em benefício da cúpula política estadual que teria Éder e o empresário Gércio Marcelino Mendonça Júnior como principais operadores.

No dia 20 de maio, a Polícia Federal (PF) cumpriu mandados judiciais de busca e  apreensão e de prisão preventiva que consistiam na quinta fase da operação Ararath, iniciada no ano passado.

Na ocasião, Éder Moraes – ex-secretário de estado de Fazenda, ex-chefe da Casa Civil, ex-secretário da Copa e ex-presidente do MT Fomento - foi preso por ter sido apontado como o operador político do esquema investigado, o qual teria movimentado ilegalmente cerca de R$ 500 milhões.

Por conta das investigações, o ex-secretário teve dois mandados de prisão preventiva expedidos contra si, um do STF e outro da 5ª Vara da Justiça Federal em Mato Grosso.

Além de Éder Moraes, foi preso o ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), deputado estadual José Riva (PSD), e o superintendente regional do Bic Banco, Luiz Carlos Cuzziol, também investigados no esquema.

Quarta tentativa

Riva e Cuzziol foram liberados e só Éder permanece preso. Desde então, vem tentando medidas judiciais por meio de sua banca de advogados para obter a liberdade.

Com o Habeas Corpus no STJ divulgado por Lessa, Éder passa a contabilizar quatro tentativas de deixar a prisão.

A primeira foi um pedido de revogação da prisão na 5ª Vara da Justiça Federal em Mato Grosso, o qual foi negado pelo juiz titular Jeferson Schneider. Em seguida, a defesa protocolou um Habeas Corpus no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), o qual foi negado pelo desembargador Mário César Ribeiro.

A terceira tentativa foi um pedido de absolvição sumária em favor de Éder e outros três réus (sua esposa Laura Tereza da Costa Dias, Luiz Carlos Cuzziol e Vivaldo Lopes, ex-secretário-adjunto da Secretaria de Fazenda) em um dos processos originados na operação Ararath, que diz respeito ao crime de lavagem de dinheiro. O pedido também foi negado pelo juiz Jeferson Schneider.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade