AUMENTA NúMERO DE FURTOS DE TAMPAS DE BUEIROS EM CUIABá
16.07.2014

O furto de tampas da rede de esgoto aumentou em 84% em Cuiabá. Só este ano já foram 138  e no mesmo período do ano passado foram 75 delitos dessa natureza. Os números registrados no primeiro semestre de 2014 já se aproximam do que foi registrado nos dois semestres de 2013, quando totalizou 196. O mais agravante é que a prática é feita por pessoas que tem conhecimento técnico de manutenção de rede.

As tampas servem para proteger os locais de acesso à rede de esgoto que está de 1,4 metro até dois metros de profundidade. Esses locais de acesso são chamados de poços de visita (PVs) e servem para as operações de manutenção do sistema de esgoto. 

O sistema de coleta de esgoto que é administrado pela concessionária de saneamento básico da capital possui aproximadamente 800 km de extensão e cerca de 10 mil tampões. Calcula-se que haja um poço para cada 80 metros de rede, segundo informações da CAB Cuiabá.

Noé Rafael da Silva, engenheiro da área de redes de esgoto, explica que o principal problema ocasionado pelo furto dos tampões é a obstrução gerada pelo acúmulo de lixo que é jogado nos poços destampados. 

"O maior agravante é que quando as pessoas veem um poço sem tampa elas acabam jogando lixo dentro. A atitude gera entupimento do coletor de esgoto. Isso faz com que o esgoto, quando a rede fica entupida, entorne para dentro dos imóveis. Daí precisamos fazer manutenção e às vezes é necessário escavar a via até o local obstruído, causando transtornos. Também não podemos esquecer que sempre há o risco de gerar acidentes de trânsito. Um motociclista que conduzir sobre um poço sem tampa pode se machucar”.

Padrões técnicos atuais determinam que as tampas dos poços de visita sejam de ferro fundido. Essas tampas tornam o trabalho das equipes de manutenção mais rápido por serem fáceis de manusear. Os tamanhos e espessuras das tampas de ferro fundido variam conforme o tipo de poço.

Na rede de esgoto há tampas de 600 milímetros de diâmetro que pesam até 40 quilos, com custo unitário de R$ 1.035,00. No entanto, essas tampas não podem ser soldadas nos PVs devido às constantes manutenções.

CONHECIMENTO
Para o engenheiro Noé Rafael da Silva, os furtos das tampas dos poços de visita são realizados por pessoas que possuem conhecimento técnico sobre manutenção de rede. "Não é fácil abrir uma tampa de PV. Quando se fecha o tampão ele cola na abertura do poço e para soltar é preciso dar marretadas. Essas marretadas fazem um barulhão enorme e todo mundo ao redor escuta e olha. A ação chama a atenção de quem estiver por perto. As pessoas que roubam essas tampas, tanto as da rede de drenagem de águas pluviais da prefeitura, quanto as nossas da rede de esgoto precisam ter conhecimento sobre o que estão fazendo", esclarece.

Para combater o furto, resta à concessionária permanecer vigilante e ao tomar conhecimento de um furto realizar a substituição. Outra medida tomada pela empresa para dificultar os furtos é a instalação dos chamados "tampões capoeira". São tampas redondas de ferro fundido acopladas em placas quadradas de concreto. A medida não impede totalmente os furtos, mas dificulta a ação criminosa.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade