PRIMO DE BRUNO DIZ ONDE ESTá O CORPO DE ELIZA SAMUDIO
24.07.2014

Jorge Luiz Rosa, primo do goleiro Bruno, condenado pela morte da ex-modelo Eliza Samudio, disse que o corpo da vítima estaria enterrado perto do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A informação foi dada em entrevista à Rádio Tupi, exibida nesta quinta-feira (24).

Eliza foi morta em 2010. Bruno Fernandes foi condenado a 22 anos e 3 meses de prisão por ter tramado a morte da ex-amante para não pagar pensão alimentícia ao filho recém-nascido – hoje com quatro anos. Em junho, ele foi transferido para a Penitenciária de Segurança Máxima de Francisco Sá, no Norte de Minas Gerais.

"Ela está enterrada num sitiozinho em BH próximo ao Aeroporto de Confins. Antes de chegar no aeroporto. É uma estrada de chão bastante deserta, não tem muito movimento, praticamente abandonada. Eu identifico com um pé de coqueiro que é meio curvado. Sou muito observador, eu sei ver o local, sei chegar. Eu só estou dando essa reportagem aqui porque eu quero que a minha mente fica tranquila. Acabar com isso logo para a mãe dela poder enterrar a filha dela", disse.

Segundo o delegado Wagner Pinto, chefe do departamento de investigação de homicídios e proteção à pessoa da Polícia Civil de Minas Gerais, afirmou ao G1 que ainda não viu o material na imprensa e por isso não pode tomar nenhuma atitute.

De acordo com Jorge Luiz Rosa, que era menor na época do crime, Eliza foi asfixiada na casa do ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, em Vespasiano, também na Região Metropolitana. Luiz Henrique Romão, o Macarrão, secretário pessoal de Bruno, teria amarrado as mãos de Eliza. Após a morte, ela teria sido enrolada num lençol e colocada em um saco lacrado antes de ser enterrada em um buraco profundo, feito por uma retroescavadeira, para dificultar a localização.

"Ela não foi esquartejada. Só cortaram a mão dela. O corpo está inteiro", disse, acrescentando que o corpo foi transportado no porta-malas de um Ford EcoSport.

Advogado não viu vídeo
O advogado de Bruno, Francisco Simim, disse que até o momento não assistiu ao vídeo da entrevista de Jorge e que não vai acompanhar nada sobre isso. Respondeu que não pretende pedir diligências e que a polícia é que tem que dar confirmações e respostas.

Em relação à situação de Bruno, diz que há recurso contra a condenação de ocultação de cadáver e as informações, se confirmadas, poderiam contribuir. “A informação do local nunca apareceu. Contribui, pois Bruno jamais esteve na cena do crime e foi condenado por ocultação de cadáver”, disse.

‘Mata fácil‘, diz sobre Bola
O primo do goleiro contou que segurou o bebê enquanto Eliza era assassinada. "Não sabia que aquilo iria acontecer. Eu não conhecia aquele lugar. Como eu ia sair para pedir ajuda? Como eu ia sair do local correndo? Não pude fazer nada porque o Bola é um psicopata, mata fácil. Fiquei com medo de sair para pedir ajuda", afirmou.

Jorge também deu mais detalhes sobre o momento do assassinato. "Ela foi assassinada asfixiada", disse. "Ela sentou numa cadeira, ele [Bola] falou pra ela ficar tranquila que ele era policial, que ela iria ficar uma noite só e que no outro dia ela iria pra um apartamento. 

Ele começou a fazer umas perguntas, se ela usava drogas, e pediu pra ver a mão dela. Aí, nisso que pediu pra ver a mão dela, ele rodou ela e deu uma gravata. 

Nisso ele já caiu com ela no chão, Macarrão veio por cima e já amarrou a mão dela. o Bola pegou e engravatou ela ate acabar com vida dela. Depois, ele veio com uma faca branca, deu um talho no pulso dela e depois ele arrancou fora", disse, negando o esquartejamento.

Entenda o caso

Eliza desapareceu em 2010 e seu corpo nunca foi achado. Ela tinha 25 anos e era mãe do filho recém-nascido do goleiro Bruno, de quem foi amante. Na época, o jogador era titular do Flamengo e não reconhecia a paternidade.

Em março de 2013, Bruno foi considerado culpado pelo homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado da jovem. A ex-mulher do atleta, Dayanne Rodrigues, foi julgada na mesma ocasião, mas foi inocentada pelo conselho de sentença. Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, amigo de Bruno, e Fernanda Gomes de Castro, ex-namorada do atleta, já haviam sido condenados em novembro de 2012.

O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, foi condenado a 22 anos de prisão em abril de 2013. O último júri do caso foi realizado em agosto e condendenou Elenilson da Silva e Wemerson Marques.


 

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade