ONU RECONSTRUIRÁ GAZA 'PELA ÚLTIMA VEZ', DIZ BAN KI-MOON
06.08.2014

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, advertiu nesta quarta-feira que a organização está disposta ajudar a reconstruir Gaza, mas pela "última vez". Em uma sessão especial da Assembleia Geral, que ocorre no segundo dia do cessar-fogo de 72 horas estabelecido entre Israel e o Hamas, Ban alertou que palestinos e israelenses estão testando a paciência do mundo e pediu o fim do lançamento de foguetes a partir de Gaza, do contrabando de armas e do bloqueio ao território. Tambem nesta quarta-feira, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu afirmou que a ofensiva israelense foi "justificável e proporcional" à ameaça dos militantes islâmicos que controlam a Faixa de Gaza.

— O povo de Gaza não é nosso inimigo, o nosso inimigo é o Hamas — afirmou Netanyahu em Tel Aviv, em uma entrevista coletiva. — A tragédia de Gaza é ser governada pelo grupo islâmico.

Após quatro semanas de violentos confrontos em Gaza, 1.875 palestinos e 67 israelenses foram mortos. A devastação provocada por ataques no território obrigou cerca de metade dos 1,8 milhão de habitantes a deixar suas casas. Esta é a terceira guerra entre israelenses e palestinos em seis anos.

— Devemos seguir assim: construindo, destruindo, construindo e destruindo? — questionou Ban. — Votaremos a reconstruir, mas esta deve ser a última vez.

O secretário-geral ainda pediu investigação rápida dos ataques a instalações da ONU e outras suspeitas de violação da lei internacional pelos israelenses. Ban ressaltou que atividades militantes nãe eram justicativas para colocar em perigo a vida e a segurança de civis. Durante os confrontos na Faixa de Gaza, 11 funcionarios da organização foram mortos.

O enviado da ONU para o Oriente Médio, Robert Serry, disse que o balanço de destruição e morte das últimas batalhas era pior do que o conflito de 2008-2009. A Assembleia Geral foi convocada pelos países árabes, que criticaram o Conselho de Segurança por não tomar resoluções mais fortes para pressionar Israel e Hamas a aceitarem um cessar-fogo.

Enquanto líderes israelenses mantinham silêncio sobre as negociações indiretas de cessar-fogo com a Faixa de Gaza, autoridades palestinas foram citadas por jornais árabes nesta quarta-feira dizendo que o Egito propôs uma extensão da atual trégua para 120 horas — até sábado — e que a questão do desarmamento não está em pauta. Os mediadores egípcios se reuniram no Cairo com uma delegação israelense e nesta quarta-feira terão um encontro com os negociadores palestinos, como parte das conversas para um cessar-fogo duradouro em Gaza. Um dia após o início da pausa de 72 horas entrar em vigor, o Exército israelense dispensou cerca de 30 mil reservistas convocados.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade