APóS MAIS DE 7H, SEQUESTRADOR SE ENTREGA E LIBERTA REFéM EM HOTEL NO DF
29.09.2014

O sequestrador que invadiu o hotel Saint-Peter no centro de Brasília e manteve um funcionário como refém por mais de sete horas se entregou às 16h desta segunda-feira (29), segundo a polícia. O autor foi levado à 5ª Delegacia de Polícia, na Asa Norte.

O refém deixou o hotel em um carro de polícia e passou despercebido por hóspedes e curiosos que acompanhavam o caso na rua em frente. Segundo a polícia, o funcionário foi direto para casa acompanhado da esposa. Ele estava calmo e não precisou de atendimento médico.

Um helicóptero da Polícia Civil sobrevoava o hotel no momento em que as negociações terminaram. Segundo o delegado Paulo Henrique Almeida, o homem teria solicitado uma bandeira do Brasil para usar sobre os ombros no momento da rendição, mas se entregou com medo de ser alvejado pelos policiais. "Ele percebeu que a única saída era a rendição. Graças a Deus a vítima está bem."

O homem pode ser indiciado por cárcere privado, cuja pena é de um a três anos de reclusão. Dependendo do resultado da perícia, ele pode ser indiciado por outros crimes – se a suposta dinamite no colete do mensageiro do hotel forem verdadeiros, por exemplo, ele vai responder por posse de material explosivo, cuja pena vai de três anos a seis anos de prisão.

mas Minutos antes de se entregar, o homem apareceu na sacada do prédio com um dos punhos unido por algemas ao braço do refém. O funcionário já aparecia sem o colete com suposta carga de dinamite, que havia sido amarrado ao refém ainda no início da manhã. A esposa do refém e uma madrinha do sequestrador acompanhavam as negociações no espaço em frente à entrada do hotel.

Atiradores de elite da Polícia Civil foram posicionados em áreas estratégicas no início da tarde e aguardavam autorização para atirar. "Temos 98% de certeza de que são explosivos", disse o delegado durante a negociação. Se confirmado o teor da carga, o volume de dinamite teria capacidade para danificar a estrutura do hotel, segundo a polícia.

O autor do sequestro tinha expressado exigências políticas – renúncia de Dilma Rousseff, extradição de Cesare Battisti e o que chamou de "aplicação efetiva da Lei da Ficha Limpa", sob ameaça de detonar os explosivos. O delegado Almeida manteve sigilo sobre o prazo dado pelo sequestrador, mas informou que seria inferior a seis horas.

FIM SEQUESTRO 2 (Foto: Evaristo Sa/AFP, José Cruz/Agência Brasil e Reprodução/Globo News)Imagens mostram o sequestrador ameaçando refém,
a fachada do hotel e policiais no quarto a rendição do
homem  (Fotos: Evaristo Sa/AFP, José Cruz/Agência
Brasil e Reprodução/Globo News)

‘Do bem‘ e cartas
Amiga da família e chamada de tia pdo sequestrador, a dona de casa Alaídes Alves Góis, de 50 anos, disse ainda não ter entendido o que aconteceu. Segundo ela, que soube do caso pela TV, a ação não combina com a postura do sequestrador.

"Ele é como se fosse um filho para mim, foi criado junto com meu filho. Ele me chama de tia", disse. "A atitude dele é muito desesperadora. Não acredito que vá acontecer, que ele vá fazer nenhuma desgraça. Não acho que ele faria isso a alguém. Falei com a mãe dele por telefone. Ela me pediu, pelo amor de Deus, para interceder. Ele me escuta mais que à mãe."

Alaídes conta que conheceu a família quando comprou uma fazenda no interior de Tocantins e se tornou vizinha deles. O contato, iniciado em 1987, prossegue até hoje. A dona de casa disse que todos se consideram como sendo "do mesmo sangue".

Na casa do suspeito, em Combinado, no Tocantins, a polícia encontrou três cartas de despedida escreitas pelo sequestrador. De acordo com o delegado Paulo Henrique Almeida, nas cartas ele pedia desculpa à mãe e aos tios, se dizia "desesperado" com o atual "cenário político" e falava que "essa tempestade vai passar".

As cartas teriam sido escritas no dia 26. O homem foi para o Brasília no próprio carro, e o automóvel foi apreendido para perícia.

O lutador de MMA Minotauro, que estava hospedado no hotel e teve de deixar o quarto às pressas (Foto: Dayane Oliveira/G1)O lutador de MMA Minotauro, que estava hospedado
no hotel e teve de deixar o quarto às pressas
(Foto: Dayane Oliveira/G1)

Hóspedes desalojados
Por causa do sequestro e ameçada de explosão do hotel, os hópedes do Saint Peter tiveram de deixar o prédio logo cedo.Entre os hóspédes estava o lutador de MMA Rodrigo Nogueira, o Minotauro. Ele e o irmão participaram neste final de semana de um evento esportivo em Brasília.

Minotauro disse ao G1 que foi informado que teria de deixar o hotel por causa de um vazamento de gás. "A gente desceu pelo elevador. Lá dentro não ficamos sabendo de nada. A primeira informação foi que estava tendo um vazamento de gás, que era para a gente sair o mais rápido possível."

O lutador disse que ainda demorou a deixar o Saint Peter porque estava tomando café na hora em que os funcionários estavam indo de quarto em quarto avisar os hóspedes para deixar o hotel. "Quando chegaram ao meu quarto eu tinha saído para tomar café, então quando voltei os quartos já estavam todos abertos, ninguém tinha nenhuma informação."

A médica Larissa Dourado, que veio para Brasília para participar de um congresso de cardiologia, disse que estava no quarto quando os bombeiros bateram à porta, por volta de 9h30 da manhã, e disseram que era para ela deixar o hotel.

"Começaram a bater nas portas dos quartos, chamando a gente, eles se identificaram como bombeiros e disseram que era pra evacuar os quartos. Foi supertranquilo, desci de elevador. Não trouxe nada além do meu celular, até meus documentos estão lá dentro", 

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade