INICIADA Há 2 ANOS, OBRA DE R$ 27,3 MILHõES ESTá ATRASADA
24.09.2014

Iniciada há mais de dois anos, a duplicação da Estrada da Guarita – que serviria para “desafogar” a Avenida da FEB, uma das mais movimentadas de Várzea Grande, deveria ter sido concluída em janeiro de 2013 – já consumiu R$ 22 milhões dos cofres públicos.

Apontada, na época do lançamento, como via alternativa de acesso à Arena Pantanal, durante a Copa do Mundo – o que não ocorreu –, a obra, que é tocada pela Agrimat Engenharia, Indústria e Comércio Ltda., já sofreu pelo menos quatro aditivos e está orçada em R$ 27.381.516,17.

Segundo a Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa), responsável pela licitação e fiscalização do contrato, a obra encontra-se com 80,58% dos serviços concluídos, conforme medição realizada em agosto passado.

Tony Ribeiro/MidiaNews

Trechos da obra já foram finalizados e liberados para uso da população

A empreiteira responsável ganhou do Governo do Estado o prazo final de dezembro deste ano para terminar a obra.

O projeto consiste na duplicação do trecho de pouco mais de 8,4 km, compreendido entre a Avenida Ulisses Pompeu de Campos e a localidade de Passagem da Conceição, atendendo diretamente aos bairros Guarita I e II, em Várzea Grande, bem como facilitando o acesso ao Centro Oficial de Treinamento (COT) da Barra do Pari – obra esta que também não foi concluída – e o Aeroporto Marechal Rondon.

De acordo com a Secopa, recentemente, a Agrimat liberou novos trechos da estrada, já duplicados, para o trânsito, e concentra seus trabalhos ainda na ampliação das rotatórias existentes na via.

Contrato e aditivos

Iniciada em 29 de março de 2012, a duplicação da Estrada da Guarita deveria ter sido realizada em 300 dias, mas a Agrimat conseguiu, em 17 de janeiro de 2013, mais 300 dias para concluir o projeto.

Sendo assim, o contrato passou a ter prazo de execução em 12 de novembro do ano passado e a vigência encerrando em 13 de março deste ano.

Tony Ribeiro/MidiaNews

Segundo a Secopa, mais de 80% do serviço já foram concluídos na via

Em 16 de abril de 2013, o segundo aditivo foi assinado pelo Estado com a empresa, suprimindo o valor da obra, que, até então, custava R$ 29.220.521,04, para o valor atual.

O terceiro aditivo foi assinado em 13 de novembro do ano passado, quando a Agrimat ganhou mais 180 dias para finalizar a obra, ou seja, terminar a execução em 11 de maio passado. 

A vigência do contrato, por sua vez, expirou em 9 de setembro.

O quarto aditivo – também de prazo – foi assinado na sequência, em 9 de maio, quando a empresa ganhou mais 90 dias para concluir o projeto (prazo que se encerrou em 9 de agosto) e mais 60 dias de vigência contratual, que expiram em 8 de novembro próximo.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade