JOVEM é AGREDIDA A PAULADAS APóS FOTOS NA WEB FAZEREM SUCESSO
30.10.2014

A polícia em Guarujá, no litoral de São Paulo, investiga um vídeo divulgado nas redes sociais que mostra a jovem Thissiane Voitexem dos Santos, de 18 anos, sendo espancada. A agressora, de 22 anos, segura um pedaço de madeira na mão e bate por diversas vezes nas pernas e no braço da vítima, que também foi atingida com socos na cabeça e puxões de cabelo. A agressão ocorreu, segundo a irmã da agredida, após uma discussão entre a vítima e a rival em uma página de relacionamentos na internet por causa do ‘excesso de curtidas‘ em suas fotos postadas no Facebook.De acordo com informações da Delegacia da Mulher da cidade, o caso aconteceu no dia 21 de setembro deste ano, mas o boletim de ocorrência só foi registrado pela mãe da vítima 22 dias depois, no dia 13 de outubro. Ela disse à polícia que a filha não iria se apresentar para prestar depoimento. Ainda segundo a Polícia, o exame de corpo de delito exigido em casos de lesão corporal também não foi feito pela vítima.

A irmã da vítima, Thábata dos Santos, de 26 anos, afirma que a agressão foi motivada por uma discussão em uma rede social envolvendo um ex-namorado da própria irmã. Ela conta que, na época, a jovem ainda era menor e completou 18 anos há apenas dois dias. "Minha irmã é muito odiada por aqui pelo fato de ela ser muito bonita. As garotas sentem raiva dela porque os meninos curtem muito as fotos dela no Facebook. Apesar disso, ela nunca mexeu com ninguém", afirma.

Jovem foi atingida por socos e pauladas quando voltava de uma festa (Foto: G1)Jovem foi atingida por socos e pauladas quando
voltava de uma festa (Foto: Arquivo Pessoal)

Segundo Thábata, as duas jovens não são amigas, mas se conhecem por morarem na mesma cidade. Após a discussão na rede social, as duas acabaram se encontrando em uma festa no bairro Morrinhos, onde houve a confusão. "A menina já chegou dando um soco no peito da minha irmã e depois deixaram para lá. Na volta, umas sete meninas seguiram a minha irmã e pegaram ela em uma rua entre o Morrinhos e a Vila Edna. Foi aí que essa menina começou a bater nela", afirma.

Perguntada sobre o motivo do boletim de ocorrência ter sido registrado dias depois, a irmã da vítima explicou que, no início, a família ficou com medo de represálias. Mesmo depois de registrada a ocorrência pela mãe da vítima, a menina agredida evitou divulgar o caso e apagou as fotos dos hematomas que estavam no celular da mãe. "Ela não quer falar, mas nós temos que ir atrás da pessoa que fez isso, porque ninguém pode bater em outra pessoa assim e achar que está tudo bem", disse.

G1 entrou em contato com a Delegacia da Mulher da cidade. Segundo a polícia, ainda é aguardado o depoimento da jovem para poder dar sequência às investigações e identificar todas as agressoras. As imagens continuam sendo analisadas com o objetivo de identificar as agressoras.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade