EMPRESáRIOS PEDEM ESTUDO; TARIFA DE ôNIBUS PODE AUMENTAR
03.12.2014

A Associação Mato-grossense dos Transportadores Urbanos (MTU) solicitou à Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte Urbano (SMTU) o estudo do cálculo tarifário da passagem de ônibus, que pode culminar no aumento da tarifa.

Somente nos últimos dois anos, a tarifa foi de R$ 2,70 para R$ 2,95 e sofreu uma redução, em março, para R$2,80, cobrado atualmente.

Em dezembro passado, quando foi realizado o último reajuste tarifário, a MTU apresentou uma proposta para que a tarifa cobrada no sistema de transporte coletivo fosse de R$ 3,08.

Isso significa que é provável que, na solicitação do estudo do cálculo tarifário feita nesta semana, a associação queira um reajuste de, pelo menos, R$ 0,28 para compensar os custos dos empresários com a manutenção dos veículos.

Assim, a tarifa passaria a ser acima de R$ 3 e deverá ser praticada já em janeiro de 2015. 

Segundo o contrato de concessão firmado entre os empresários e a Prefeitura de Cuiabá, o reajuste da tarifa de transporte coletivo pode acontecer anualmente.

Aumento da tarifa

De acordo com informações da MTU, o pedido de realização do estudo foi feito para avaliar a necessidade de reajuste da tarifa, visando o equilíbrio econômico-financeiro das empresas do sistema. 

O cálculo faz um levantamento do número de veículos, custos com os salários dos funcionários, o preço do combustível, o desgaste dos pneus, valores de peças de reposição, insumos básicos, por exemplo, e estabelece um valor da tarifa.

Caso o cálculo seja superior ao que está em vigência, a SMTU apresenta o valor para sanção do prefeito Mauro Mendes (PSB). 

Mas, havendo necessidade, o valor é analisado anteriormente pelo Conselho Municipal de Transportes (CMT), representado por 17 entidades, que tem de aprovar a nova tarifa.

No entanto, segundo o diretor de Transportes da SMTU, Leopoldino Pereira, não chegou à secretaria nenhum pedido de estudo do cálculo. 

Ele afirma que o último estudo foi feito no final do ano passdo, quando a pasta definiu que o valor da tarifa deveria ser de R$ 2,94. 

Contudo, o cálculo não foi aceito pelo prefeito que aplicou um desconto de R$0,14 sobre o valor aprovado, a título de compensação, devido à cobrança superior durante em 2013, apontada no levantamento feito pela Comissão de Auditoria da Planilha.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade