YOUSSEF DEVE DEPOR PELA úLTIMA VEZ COMO PARTE DO ACORDO DE DELAçãO
25.11.2014

O doleiro Alberto Youssef, considerado o líder do esquema bilionário de lavagem e desvio de dinheiro revelado pela Operação Lava Jato, deve depor pela última vez nesta terça-feira (25) na tentativa de obter benefícios do acordo de delação premiada. Youssef está detido na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, desde março deste ano. Conforme a Polícia Federal (PF), o acordo de delação premiada foi firmado no dia 24 de setembro.Os depoimentos estão sendo prestados desde o dia 2 de outubro.

Ainda conforme a PF, os relatos são gravados em um arquivo e guardados em um cofre. Youssef tem mais de cem horas de depoimento, conforme a PF. A assessoria da corporação não informou o horário em que o doleiro irá depor nesta terça-feira.

A delação premiada é um acordo firmado com o Ministério Público e a Polícia Federal pelo qual o réu ou suspeito de cometer crimes se compromete a colaborar com as investigações e denunciar os integrantes da organização criminosa em troca de benefícios, como redução da pena. Essa colaboração está prevista na lei 12.805, de 5 de agosto de 2013.

Se depois de concluídos os depoimentos ficar comprovada a veracidade das informações que Youssef forneceu, o acordo de delação será homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), como ocorreu com Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras. Ele também fez um acordo de delação premiada e atualmente cumpre prisão em regime domiciliar no Rio de Janeiro usando uma tornozeleira eletrônica para não fugir.

As investigações apontam que o esquema liderado por Youssef deve ter movimentado cerca de R$ 10 bilhões. Além do envolvimento do doleiro em atividades de câmbio negro, a Polícia Federal também apura a atuação dele como operador de um esquema de desvios na Petrobras, com o objetivo de abastecer o caixa de partidos políticos.

Sétima fase da Lava Jato
Segundo investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, nove empreiteiras são investigadas pela suspeita de formação de cartel para licitações e desvio de dinheiro para corrupção de agentes públicos nesta fase da operação.

Apenas essas empresas, têm contratos com a estatal que somam R$ 59 bilhões. Parte desses contratos está sob investigação da Receita Federal, do MPF e da Polícia Federal.

Ao todo, 25 pessoas foram presas e 14 seguem detidas. O último investigado a se entregar às autoridades policiais foi Adarico Negromonte. Ele é suspeito de levar dinheiro dos escritórios de Youssef para agentes públicos e partidos políticos. Negromonte chegou a sede da Polícia Federal, em Curitiba, às 11h15 de segunda-feira (24) de táxi e acompanhado pela advogada que o representa.

Quem é Alberto Youssef
A Operação Lava Jato surgiu a partir de uma ação em um posto de gasolina, em Brasília, onde também funcionava uma casa de câmbio e uma lavanderia. De acordo com a Polícia Federal, era uma medida específica para atingir doleiros e a lavagem de dinheiro sujo. No dia 17 de março, quando a operação tornou-se pública, entre dezenas de presos, estava Alberto Youssef, que é considerado pela polícia o “maior operador financeiro do país”. O nome do doleiro, por exemplo, está ligado ao caso Banestado, que teve o desvio de mais R$ 30 bilhões a paraísos fiscais.

Youssef começou a vida como vendedor de pastel nas ruas de Londrina, cidade do norte do Paraná. Ainda adolescente, começou a contrabandear eletrônicos do Paraguai. Foi detido cinco vezes com muamba. As viagens constantes para o país vizinho, o levaram a mexer com câmbio. Em 2004, foi preso, pagou uma multa recorde na época de R$ 1 milhão e aceitou falar abertamente sobre a esquema ilegal. Foi um dos primeiros criminosos do país a fazer um acordo de delação premiada. Com o acordo, a polícia acreditava que Youssef estava fora do mundo do crime, mas as investigações apontaram em sentido oposto.

O doleiro circulava livremente pelos corredores do poder. Em Londrina, conheceu José Janene, deputado federal morto em 2010 e condenado no escândalo do mensalão. Youssef, de acordo com a polícia, sofisticou o esquema de lavagem de dinheiro. Além de enviar recursos para paraísos fiscais, ele montou uma rede de empresas de fachada para intermediar pagamentos de propina e firmar contratos fraudulentos com estatais. A Lava Jato, diz a polícia, quebrou esse esquema.

Enquanto o alvo eram os doleiros, a Operação Lava Jato investigava transações de milhões de reais. O salto para os bilhões veio com a prova da ligação entre Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras. O esquema de corrupção na estatal envolveu contratos que somam R$ 89 bilhões. A dupla escorregou em um detalhe: um carro registrado no endereço de Alberto Youssef, em nome de Paulo Roberto Costa - na placa o ano de nascimento do ex-diretor da Petrobras.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade