EQUIPE DA INFRAERO DE BRASíLIA INVESTIGARá CAUSAS DE CURTO-CIRCUITO
27.01.2015

Uma equipe da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) de Brasília estará em Cuiabá, nesta semana, para apurar as causas do "apagão" que atingiu Aeroporto Internacional Marechal Rondon, em Várzea Grande, no último final de semana.

De acordo com a Infraero, um curto-circuito atingiu o sistema de balizamento da pista, que tem 2,3 mil metros de comprimento, durante a noite de sexta-feira (23) e de domingo (25).

Uma lâmpada queimou e todo o sistema foi desligado, uma vez que norma da Aviação Civil prevê que a distância de uma lâmpada para outra tem que ser de 60 metros e, caso uma não funcione, há o desligamento automático do sistema.

Apesar da identificação inicial do problema, a equipe da Infraero quer descobrir o motivo dos constantes curtos-circuitos ocorridos em tão curto período de tempo. 

Para isso, serão verificados os 400 mil metros de cabo que sustentam o sistema de balizamento.

Ainda não há previsão de quando o problema será identificado, já que é preciso esperar uma janela operacional - período em que a pista não é usada para pousos e decolagens -, para que haja a vistoria de todo o sistema.

Caso seja constatado o problema que originou os curtos-circuitos, as correções devem ocorrer ainda nesta semana.

Falta de iluminação

A primeira falha do sistema ocorreu por volta das 20h40 de sexta-feira (23) e uma equipe da Infraero do próprio aeroporto esteve na pista para sanar o problema. Contudo, o local do curto-circuito só foi identificado na tarde do sábado (24).

Por isso, dez decolagens foram canceladas e os passageiros foram levados a hotéis da capital, segundo a Infraero. Outros dois pousos foram remanejados para outros aeroportos.

Já no domingo, o problema se repetiu por volta das 19h e foi solucionado às 21h. Foram registrados um atraso de pouso e seis de decolagem.

Obras do aeroporto


Apesar dos problemas, a Infraero não acredita que eles são ocasionados pelas obras no aeroporto, que foram iniciadas em 2012 e estão paralisadas.

Já foram gastos aproximadamente R$ 100 milhões com a reforma do aeroporto, executada pelo Consórcio Marechal Rondon.

Desde que foram iniciadas as obras no terminal, problemas relacionados à estrutura já apareceram no local. 

Em outubro do ano passado, parte do forro e o teto do setor da nova área de desembarque do aeroporto cederam com as fortes chuvas. 

A qualidade duvidosa da obra, além da morosidade em sua conclusão, fez com que o Governo do Estado cogitasse devolver o projeto à Infraero, conforme consta no estudo Diagnóstico do Governo.

No entanto, ainda não há oficialização sobre a devolução da obra  que findaria com o termo firmado em 2011, entre Estado e Infraero,  e que prevê a realização de reforma e fiscalização do Marechal Rondon.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade