APóS FECHAR PONTE, MANIFESTAçãO DO COMPERJ CHEGA à PETROBRAS
10.02.2015

Mais de 150 pessoas protestam contra atrasos de salários.
Grupo fechou vias da Zona Portuária e do Centro.

Depois de interditarem as pistas da Ponte Rio-Niterói por duas horas nesta terça-feira (10), funcionários do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) seguiram em passeata pela Zona Portuária do Rio por volta das 14h30. Os manifestantes chegaram ao prédio da Petrobras, no Centro do Rio, por volta das 15h30, mas sem interditar nenhuma via.

Por volta das 14h30, o grupo fechou a faixa lateral da Avenida Brasil, uma das vias principais da cidade. Em seguida, entrou na Av. Francisco Bicalho, em direção ao Centro. Às 14h50, alguns deles já estavam na Avenida Presidente Vargas, fechando duas faixas da pista central em direção à Candelária, debaixo de um calor de 39ºC.

Fu8ncionários do Comperj protestam na Ponte Rio-Niterói. (Foto: Reprodução/ TV Globo)Funcionários do Comperj protestam na Ponte Rio-Niterói (Foto: Reprodução/ TV Globo)

Agentes da Polícia Rodoviária Federal acompanharam a manifestação na Ponte Rio-Niterói, que teve início por volta do meio-dia.

Reforço em outros modais
Após a manifestação na Ponte, a Secretaria de Estado de Transportes determinou reforço imediato no serviço de barcas, trens e ônibus intermunicipais. A medida, de acordo com a secretaria, será mantida até a normalização do tráfego na ponte e nos acessos ao Centro da cidade.

Por conta dos impactos na Linha Vermelha e Avenida Brasil, os trens da SuperVia serão uma opção para os passageiros que saírem do Centro para Zona Oeste. As barcas operam com frota total para quem deseja fazer a travessia entre os municípios Rio e Niterói e, além disso, a Fetranspor implantou reforço nas linhas de ônibus intermunicipais que partem de Niterói com sentindo a São Gonçalo, Itaboraí e Maricá.

Manifestantes querem receber atrasados
Este é mais um protesto dos funcionários terceirizados do Comperj que afirmam não receber salários há três meses. Eles reivindicam o pagamento dos direitos trabalhistas, tanto dos efetivos quanto dos recentemente demitidos, e uma definição por parte da empresa, a Alumini, sobre a continuidade do trabalho no complexo, que foi interrompido.

Grupo se deslocava pela Ponte Rio-Niterói com os carros esperando atrás (Foto: Ricardo Moraes/Reuters)Grupo exige pagamento de salários atrasados
(Foto: Ricardo Moraes/Reuters)

Segundo o sindicato (Sintramon), cerca de 2,5 mil pessoas estão com os salários atrasados, sendo que 127 não recebem desde novembro de 2014. Desde o início dos protestos, na quinta-feira (8), os acessos às obras são bloqueados, provocando a paralisação das atividades.

O Sintramon entrou na Justiça do Trabalho de Itaboraí com uma medida cautelar para garantir o pagamento aos trabalhadores. A empresa pagou apenas duas das três parcelas do que havia acertado no Ministério Público do Trabalho (MPT) para a quitação das verbas rescisórias de cerca de 200 demitidos.

A decisão de entrar com as ações na Justiça aconteceu devido à impossibilidade de acordo, já que os representantes da Alumini não compareceram à audiência. A empresa comunicou, no dia 13 de janeiro, ao MPT sua ausência na audiência dizendo que não poderia propor novo acordo. As verbas da Alumini estão bloqueadas por conta de uma ação movida por trabalhadores da empresa que atuam na Refinaria Abreu e Lima.

Ponte Rio-Niterói em protesto (Foto: Reprodução/TV Globo)Protesto fechou as pistas da Ponte Rio-Niterói (Foto: Reprodução/TV Globo)

Segundo a Alumini, esse bloqueio deixou a empresa impossibilitada de pagar os salários de dezembro aos trabalhadores ativos, assim como de cumprir a terceira parcela de acordo firmado no dia 11 de dezembro com o MPT-RJ e os sindicatos para o pagamento das rescisões e férias a 469 empregados dispensados.

De acordo com o MPT, os ex-empregados que participaram da audiência informaram que também não receberam passagens terrestres ou aéreas para retornarem às suas cidades, conforme estava previsto no acordo inicial. Eles disseram ainda que estão sendo despejados de seus alojamentos.

Lava Jato
Segundo reportagem do Jornal Nacional, relatórios internos da Petrobras revelam indícios de que os ex-diretores Paulo Roberto Costa e Renato Duque interferiam na escolha das empresas que iriam participar da construção do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) e tomaram decisões que aumentaram os custos da construção da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.

A comissão interna de apuração da Petrobras constatou que mais da metade desses contratos ficou com as empresas investigadas na Operação Lava Jato. De acordo com depoimentos de funcionários da Petrobras, os ex-diretores Paulo Roberto Costa e Renato Duque acompanhavam passo a passo as licitações.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade