VALCKE FALA EM "INFERNO" E RETOMA AS CRÍTICAS À ORGANIZAÇÃO BRASILEIRA
07.05.2014

Após distribuir alguns afagos em sua mais recente visita ao Brasil, no fim do mês passado, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, adotou um tom mais duro ao falar da Copa do Mundo de 2014. Durante um evento nesta terça-feira, em Lausanne, na Suíça, o dirigente comentou a postura do poder público e fez críticas à organização brasileira e à própria Fifa, em declarações publicadas pelo jornal "Estado de S. Paulo".

– Vivemos um inferno, sobretudo porque no Brasil há três níveis políticos, houve mudanças, uma eleição, e não discutíamos mais necessariamente com as mesmas pessoas. Foi complicado, porque a cada vez tínhamos que repetir a mensagem – disse Valcke, segundo o jornal, durante o evento.

Sem diminuir o tom crítico, o dirigente lembrou que receber uma Copa do Mundo é muito diferente do que organizar outros eventos.

– Lembro que me diziam: como você pode duvidar do Brasil? Nós organizamos o carnaval do Rio todos os anos com três milhões de pessoas. Mas no carnaval são pessoas do Rio, pessoas que têm seus apartamentos, estão na praia e ficam lá. As pessoas achavam que era fácil, mas organizar uma Copa é um trabalho de verdade. É uma responsabilidade real.

Após o evento, no entanto, Valcke usou outras palavras ao ser abordado por repórteres brasileiros.

– Não foram três anos de inferno. Foram três anos complicados, mas tanto para o Brasil quanto para nós. O trabalho não foi cumprido de uma parte ou de outra. Tivemos complicações relativas à estrutura do país, em relação a investimentos que talvez começaram tarde, uma incompreensão em relação à dimensão do evento.
ronaldo jerome valcke cuiabá (Foto: Fabricio Marques)Valcke esteve em Cuiabá recentemente: dirigente citou a cidade para falar de atrasos (Fabricio Marques)

Atrasos e responsabilidade da Fifa

Além das críticas à forma de organização brasileira, Valcke disse que a Fifa tem sua parcela de responsabilidade em algumas questões que geraram protestos.

– Quanto à crítica sobre as despesas, é verdade que nós temos uma responsabilidade moral. Dou um exemplo: num dado momento havia um certo número de pessoas, no Brasil, entre eles políticos, que se opunham à Copa do Mundo.

Ao se mostrar incomodado com as mudanças de poder no Brasil com o passar do tempo, <b></b> Valcke indicou ainda que a entidade terá que rever algumas medidas no futuro. Ele diz que a "mais alta autoridade" deve estar associada à candidatura do Mundial, não um governo simplesmente.

O secretário-geral da Fifa reconheceu ainda que precisou diminuir algumas exigências, por exemplo, com as estruturas temporárias. Mesmo assim, disse que nem tudo ficará pronto a tempo.

– São muitos detalhes. Não digo que tudo estará concluído. Em uma cidade como Cuiabá, há estruturas na cidade que não são diretamente relacionadas à Copa. Portanto, haverá certamente obras nos entornos. Mas nos estádios teremos o que precisamos.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade