ADOLESCENTE DE 14 ANOS é MORTO EM PROTESTO NA VENEZUELA
24.02.2015

Kluiver Roa foi atingido na cabeça durante manifestações em San Cristóbal.

CARACAS — Um adolescente foi morto nesta terça-feira durante um protesto na cidade de San Cristóbal, no Oeste da Venezuela. Segundo jornais locais, Kluiver Roa, de 14 anos, foi atingido por um tiro na cabeça durante confrontos entre estudantes e policiais. A Justiça abriu investigação sobre a morte do jovem, que deve elevar ainda mais a tensão no país, que enfrenta uma crise econômica e uma ofensiva do governo contra a oposição política.

As circunstâncias que cercam a morte de Roa não estão claras, segundo o coronel Ramón Cabezas, diretor de segurança pública para o estado de Táchira. Ela ocorreu em meio a violentos confrontos perto da casa do governador de Táchira. Segundo o diário “El Nacional”, Roa, um aluno do ensino médio da Escola Agustín Codazzi, não participava dos protestos motivados pela crise e pela prisão do prefeito de Caracas, Antonio Ledezma, mas estaria nas imediações da manifestação.

Cabezas afirmou que ainda não estava claro se a causa da morte teria sido um tiro, mas jornais venezuelanos afirmam que o adolescente foi atingido na cabeça por um disparo da Guarda Nacional Bolivariana. Embora não haja declaração oficial, no Twitter circularam fotos de Roa caído no chão com a massa encefálica exposta.

Outros estudantes que jogavam pedras ficaram feridos durante os confrontos, afirmou o líder estudantil Reinaldo Manrique.

San Cristóbal, conhecida como a cidade dos protestos na Venezuela, foi o epicentro dos maciços protestos de rua no ano passado, que deixaram 43 mortos. Manifestações mais contidas voltaram a acontecer novamente na cidade, perto da fronteira com a Colômbia, nas últimas semanas. Em San Cristóbal, a escassez de produtos básicos que vão desde papel higiênico até remédios é particularmente grave.

Os protestos aconteciam do lado de fora da antiga sede da Universidade Católica de Táchira (Ucat). Os protestos tiveram início por volta das 10h30 (hora local), cerca de meia hora antes do disparo que atingiu o estudante.

Roa foi levado ao Hospital de San Cristóbal, com um tiro no osso occipital, e não resistiu ao ferimento. As aulas na Ucat foram suspensas.

USO DE FORÇA LETAL

Críticos acusam o cada vez mais impopular presidente Nicolás Maduro de tentar distrair a população e assustar e prender seus opositores antes das eleições parlamentares no final deste ano.

Maduro respondeu que a oposição é apoiada por Washington e trama atos de violência contra seu governo.

O governo de Nicolás Maduro aprovou uma resolução no início do mês, assinada pelo ministro da Defesa, Vladimir Padrino López, e publicada no Diário Oficial, que permite ao Exército usar armas de fogo para controlar manifestações e reuniões públicas.

PUBLICIDADE

O texto afirma que o uso proporcional da força será aplicado conforme um “manual de normas e procedimentos operacionais” que estará pronto em três meses e que servirá como base para treinamentos e instrução.

A decisão foi criticada pelas Nações Unidas, que lembrou que a resolução vai de encontro ao artigo 68 da Constituição venezuelana que estabelece que “o uso de armas de fogo e substâncias tóxicas para controlar manifestações pacíficas é proibido”.

O coordenador do Foro Penal Venezuelano, Gonzalo Himiob, informou por meio de sua conta pessoal no Twitter que pelo menos 17 pessoas foram detidas nos protestos realizados nos arredores da Ucat.



COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade