APESAR DE CONSENSO, IMBRóGLIO ADIA CRIAçãO DA CPI DAS OBRAS DA COPA
26.02.2015

Apesar de consenso, imbróglio adia criação da CPI das obras da Copa

Ainda não foi desta vez que a Assembleia Legislativa de Mato Grosso bateu o martelo sobre a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que irá investigar as obras da Copa do Pantanal Fifa 2014, executadas pelo então governador Silval Barbosa (PMDB) até dezembro do ano passado.

Embora haja consenso de que seja criada e instalada, a origem se tornou um imbróglio: a decisão inicial é de que o Colégio de Líderes faça o requerimento, mas nos bastidores os deputados Oscar Bezerra (PSB) e Janaína Riva (PSD), ambos com base eleitoral em Juara, travam uma guerra surda. Existem suspeitas de superfaturamento e de desvio de recursos públicos, em investimentos que se aproximam de R$ 3 bilhões, nos últimos três anos e meio.
 
Como forma de evitar brigas desnecessárias que possam arranhar ainda mais a imagem do Parlamento, o presidente do Poder Legislativo, deputado Guilherme Maluf (PSDB), determinou que seja acatada a decisão inicial, sugerida pelo deputado Emanuel Pinheiro (PR). Por conta disso, quem irá apresentar o requerimento da CPI será o Colégio de Líderes e não um parlamentar, individualmente.   
 
Por determinação do Regimento Interno, o Colégio de Líderes se reúne apenas na próxima terça-feira, dia 3 de março. Após a reunião, será elaborado um requerimento com a assinatura de todos os líderes partidários.
 
Desta forma, as assinaturas coletadas por Janaína Riva e Oscar Bezerra perdem o sentido. A discussão inicial sobre a abrangência da CPI e se arrastou por mais de duas semanas. Alguns parlamentares defendiam a CPI para investigar a execução das obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), orçada em R$ 1,47 bilhão e que já consumiu R$ 1,1 bilhão. Outros desejam a CPI com ampla abrangência sobre todas as obras da Copa.
 
 Primeira a defender a Comissão Parlamentar, ainda antes de tomar posse, Janaína disse que o tema deve ser tratado com a seriedade que o caso  requer. “A CPI não pode servir como palanque para ninguém se promover às custas dos problemas do Estado”, argumentou ele, para a reportagem do Olhar Direto.
 
Aprovada pelo Colégio de Líderes, a CPI necessitará de estrutura para realizar as investigações, como engenheiros, arquitetos e contadores  - preferencialmente consultorias independentes.
 
A proposta de instalar a CPI do VLT já conta com apoio do governador Pedro Taques (PDT). Para vários deputados, ele declarou ser favorável à investigação aprofundada sobre os problemas na execução do VLT e das demais obras da Copa do Pantanal. Há duas semanas, o governo do Estado realizou  audiência pública para apresentar uma parte do relatório, abrangendo essencialmente o VLT.
COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade