DIRETOR DE CADEIA é DEMITIDO POR PERMITIR DROGAS EM CELAS
04.03.2015

Edilson Gomes, de Juara, também é acusado de usar carro oficial e cartão corporativo em benefício pessoal.

O ex-diretor é acusado de permitir a entrada de drogas e celulares na Cadeia Pública de Juara.

O ex-diretor da Cadeia Pública Juara (709 km a Médio-Norte de Cuiabá), Edilson Borges Gomes, foi demitido do quadro de servidores públicos do Estado.

Ele é acusado de vazar informações consideradas sigilosas e de ter permitido que presos consumissem drogas no interior da unidade. 

O ato de demissão do servidor foi assinado pelo governador Pedro Taques (PDT) e publicado no Diário Oficial, nesta semana.

Segundo a decisão, Edilson Borges Gomes teria utilizado veículo oficial em benefício próprio, além do cartão de abastecimento corporativo para fins pessoais, o que é considerado crime de uso de bem público ilegal. 

Além disso, segundo investigação feita pela Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, ele permitiu a entrada de celulares para uso dos presos e o consumo de drogas na unidade prisional.

“Visando vantagem econômica indevida valendo-se do cargo [...]; utilizou, em proveito próprio, veículo pertencente ao acervo patrimonial do Estado; usou indevidamente o cartão de abastecimento corporativo; revelou, reiteradamente, fatos e circunstâncias de que teve ciência em razão do cargo e que deveriam permanecer em segredo”, diz trecho do processo administrativo.

Pelas irregularidades, Gomes foi alvo de uma ação civil pública por parte do Ministério Público Estadual (MPE), que culminou com a instalação de processo administrativo disciplinar, que durou mais de dois anos. 

“Em face de todo o exposto nos autos, e, atento à recomendação exarada pela Procuradoria-Geral do Estado, decido pela aplicação da pena de demissão ao servidor Edilson Borges Gomes, agente penitenciário, lotado na Diretoria de Cadeia Pública de Juara”, diz trecho do ato de demissão.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade