COM 24 ASSINATURAS, ASSEMBLEIA DE MT CRIA “CPI DA COPA”
05.03.2015

Comissão irá apurar falhas e eventuais desvios de dinheiro público em obra bilionária do VLT

Mesa DIretora ainda definirá composição da CPI

A Assembleia Legislativa aprovou, nesta quarta-feira (4), a CPI da Copa, que investigará as obras de mobilidade urbana que integram o pacote de implantação do VLT ( Veículo Leves sobre Trilhos), em Cuiabá e Várzea Grande. 

Todos os 24 deputados assinaram, por meio de lideranças partidárias, o requerimento para criação da comissão. 

"A cidade foi destruída, as obras não foram entregues em tempo hábil. E muitas, sequer foram entregues até a presente data. Existem denúncias de má qualidade e de erros de execução"

A CPI irá investigar possíveis irregularidades, eventuais desvios de dinheiro e falhas existentes na obra do modal de transporte. 

“A cidade foi destruída, as obras não foram entregues em tempo hábil. E muitas, sequer foram entregues até a presente data. Existem denúncias de má qualidade e de erros de execução”, afirmou o presidente da Assembleia, deputado Guilherme Maluf (PSDB), ao fazer a leitura do requerimento. 

Ainda segundo ele, a execução do modal de transporte, bem como das obras de mobilidade urbana geraram expectativas à população, que se viu frustrada diante da não concretização dos projetos. 

“A população se mostrou paciente, acreditando que o caos instalado seria momentâneo. Contudo, ao passar do tempo essa situação se mostrou desesperadora. Por tudo exposto, destaco a importância dessa CPI, para que supostas irregularidades sejam averiguadas”, disse ele. 

Três deputados haviam apresentado, isoladamente, requerimentos solicitando a instauração da CPI. São eles Pedro Satélite e Janaina Riva, ambos do PSD, e o deputado Oscar Bezerra (PSB). 

Todos eles deverão figurar como membros titulares da CPI. A Comissão contará ainda com três suplentes. A composição, no entanto, ainda será definida pela Mesa Diretora da Assembleia. 

Os trabalhos devem ser concluídos num prazo de 120 dias, prorrogáveis por mais 60 dias.

Convocações

Antes mesmo de confirmada a instauração da CPI, Maluf já havia afirmado que a Caixa Econômica Federal e a Controladoria Geral da União seriam chamadas para prestarem informações sobre a auditagem dos recursos federais utilizados para a implantação do VLT. 

"A população se mostrou paciente, acreditando que o caos instalado seria momentâneo. Contudo, ao passar do tempo essa situação se mostrou desesperadora"

Além disso, deverá ser chamado pelos parlamentares, o consórcio Planservi-Sindotécnica, responsável pelo gerenciamento da obra e que produziu mais de 20 laudos sobre o andamento dos trabalhos.

Empreiteiros e políticos também deverão ser ouvidos. 

O VLT

A obra foi orçada em R$ 1,7 bilhão e os serviços iniciados em 2012 e suspensos pelo Consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande, executor do modal, no ano passado por falta de pagamento.

A previsão é que fossem instalados 22,2 km de trilhos nos dois eixos, por onde devem circular os 40 carros do VLT – formados por sete vagões cada um. 

Além disso, deveria ser edificado estações e terminais, bem como obras de arte (pontes, trincheiras e viadutos) ao longo dos dois eixos.

A obra se tornou um emblema da administração estadual, uma vez que ele disputou a preferência para execução com o BRT. 

O modal foi defendido na época como a melhor opção para Cuiabá pelo então presidente da Assembleia Legislativa, José Riva, e pelo ex-secretário de Estado, Eder Moraes. 

Acabou sendo escolhido por Silva Barbosa para a implantação, mas ainda não mostrou viabilidade sequer para conclusão da obra que era esperada para ser concluída até o final deste ano, contudo, a atual cúpula do Governo do Estado já descartou o prazo.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade