DEPUTADO COBRA EXPLICAçõES SOBRE "ROMBO" DE R$ 1 BILHãO
03.09.2015

O deputado estadual Emanuel Pinheiro (PR) cobrou esclarecimentos do controlador geral do Estado, Ciro Rodolpho Gonçalves, quanto aos números divulgados após auditorias realizadas pelo Governo do Estado e que apontam para um suposto rombo de R$ 1,083 bilhão nos cofres do Estado. 

Os números foram divulgados pelo próprio Gonçalves, no mês passado, e são resultados das auditorias realizadas pela gestão Pedro Taques (PSDB), em contratos firmados pela gestão passada.

"Não quero dizer que houve conivência. Mas, ele, pelo menos, deveria ter detectado, alertado, oficiado e comunicado ao TCE, à Assembleia, as eventuais irregularidades"

O deputado Emanuel Pinheiro, contudo, lembrou que, na gestão anterior, Ciro Gonçalves ocupava o cargo de superintendente de Contratos e Aquisições da Auditoria Geral do Estado (AGE) e, portanto, tinha conhecimento dos contratos firmados na gestão de Silval Barbosa (PMDB).
 
“Essa é uma curiosidade que eu quero que ele esclareça. Quem era o braço direito do ex-controlador-geral do Estado, José Alves? Era o Ciro Rodolpho Gonçalves, que, se eu não meu engano, era o superintendente de Contratos e Aquisições da Auditoria Geral”, disse. 

“Acredito que, fora os contratos das obras da Copa, tudo passava por ele. Mas, eu nunca vi nenhuma manifestação dele para nós, aqui da Assembleia, oficialmente”, afirmou o deputado. 

Emanuel Pinheiro preferiu não afirmar que o controlador tenha sido conivente com qualquer tipo de irregularidade. 

“Não quero dizer que houve conivência. Mas, ele, pelo menos, deveria ter detectado, alertado, oficiado e comunicado ao TCE, à Assembleia Legislativa, eventuais irregularidades” afirmou. 

“Informalmente, estive várias vezes com ele, admiro seu trabalho, é um homem técnico, sério, competente, mas ele nunca me falou que o Estado pudesse estar sendo lesado. Quero deixar claro que não estou fazendo nenhum pré-julgamento, mas, ele deve esclarecimentos à sociedade mato-grossense”, completou. 

“Assalto aos cofres públicos”

Segundo Emanuel Pinheiro, a divulgação do suposto rombo de mais R$ 1 bilhão dos cofres públicos coloca em xeque, inclusive, a atuação da Controladoria-Geral do Estado. 

“Queremos que ele explique de que forma chegou a números tão exorbitantes e que deixa de queixo caído a sociedade mato-grossense. A divulgação desses números coloca em xeque a atuação da Assembleia, do TCE, do MPE e da própria Controladoria-geral do Estado, durante todo o período auditado”, afirmou. 

“Dá se a impressão que ninguém fez nada enquanto o Estado estava sendo, supostamente assaltado”, disse o deputado. 

Pinheiro apresentou um requerimento para a convocação do controlador geral do Estado, durante sessão desta quarta-feira (2), e que deve ser votado na próxima sessão. 

Convocação é sinônimo de "alegria"

O líder do Governo na Assembleia, deputado Wilson Santos, afirmou que a convocação do controlador para prestar esclarecimentos é sinônimo de "alegria". 

"Nosso Governo está aberto, qualquer pessoa deve ser chamada, deve prestar explicações. Essa é uma ordem do governador. Essas convocações nos alegram", disse. 

"A Auditoria tem vários departamentos, vários setores, não sei de qual setor o Dr. Ciro participava, mas nós temos elementos que vieram da gestão passada e permaneceram. Temos pessoas que compuseram o Governo passado e que continuam no atual Governo. O Governo passado não errou tudo. Teve acertos também. Como o nosso Governo terá acertos e erros. Agora, é preciso que as partes defeituosas sejam corrigidas", completou Wilson Santos. 

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade