JUíZA AUTORIZA INVESTIGAçãO SOBRE ESPINGARDA CALIBRE 12 APREENDIDA COM ADVOGADO PRESO NA VENTRíLOQUO
16.11.2015

A magistrada Selma Rosane Arruda, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, autorizou a remessa de uma espingarda calibre 12, apreendida na residência do advogado Júlio Cesar Domingues Rodrigues, para apuração de eventual crime de posso irregular de arma de fogo. Domingues está preso em conseqüência da operação Ventríloquo, que investiga um desvio de verba pública valorado em R$ 9,6 milhões, supostamente liderado pelo ex-deputado José Geraldo Riva. O réu já responde duas ações penais por porte ilegal de arma A espingarda foi apreendida no momento da prisão do advogado. Um caixa de munições também será encaminhado para apuração. A detenção foi estabelecida sob a acusação de peculato, constituição de organização criminosa e lavagem de dinheiro. Segundo o Ministério Público de Mato Grosso, Domingues teria atuado como lobista em uma transação irregular para pagamento de dívidas na Assembleia Legislativa, por meio negociações simuladas com o banco HSBC, em função de uma dívida com o Seguro Saúde Bamerindus.


A Operação Ventríloquo teve início com a delação premiada junto ao MPE do advogado Joaquim Fábio Mielli Camargo, que representava o HSBC. Além de Domingues Rodrigues, são réus na ação corrente na 7ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso o ex-deputado José Geraldo Riva (PSD), o ex-procurador-geral da Assembléia Legislativa, Anderson Flávio de Godoi e o ex-secretário geral do mesmo órgão, Luiz Marcio Bastos Pommot.

O caso


O então presidente afastado da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, José Riva (PSD) teria determinado o pagamento de dívida na integralidade de R$ 9 milhões em face ao banco HSBC relativa à débitos em atraso da contratação de seguros saúde para os servidores da Casa de Leis desde que metade do montante fosse desviado para o grupo organizado pelo ex-parlamentar. O pagamento da dívida foi efetuado ao advogado Joaquim Fábio Mielle, supostamente em favor do HSBC.

Júlio Cesar Domingues Rodrigues teria intermediado a negociação. Já Pommot, na qualidade de Secretário Geral, teria agilizado o processo de pagamento e prestado a assessoria necessária para a sua tramitação. Conforme delação, Júlio Cesár, teria recebido, de forma direta, R$ 340 mil reais.

Outro requerimento


Na mesma decisão que determinou a remessa de uma espingarda calibre 12, a magistrada Selma Rosane indeferiu o pedido formulado Anderson Flávio de Godoi que buscava adiar as audiências de instrução marcadas para os dias 27 e 30 de novembro.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade