MENDES CRê EM MANTER ALIANçA COM TAQUES E AMPLIA CONVERSA COM PARTIDOS
22.12.2015

O diálogo com dirigentes de diversos partidos, em especial PP e PSC, nos últimos dias, foi utilizado pelo prefeito Mauro Mendes (PSB), de Cuiabá, muito mais para discutir emendas parlamentares do que possíveis alianças futuras. Ele afirmou que, se for candidato à reeleição, deseja estar novamente no mesmo palanque do governador José Pedro Taques (PSDB), como ocorreu em 2010 quando disputou o governo de Mato Grosso e, posteriormente, em 2012 e 2014.
 
Mendes revelou ter conversado recentemente com os presidentes regionais do PP, deputado federal Ezequiel Fonseca, e do PSC, deputado federal Victorio Galli, além do presidente do PSB, seu partido, deputado federal Fábio Garcia.

Leia Mais:
Mauro Mendes não define se é candidato em 2016 e deixa abertura para aliança com PMDB
Se os tucanos não estiverem com Mauro Mendes, PDT pode apoiar reeleição
 
 “O relacionamento com a bancada é excelente. Temos feito reuniões pragmáticas, para discutir emendas para importantes obras de Cuiabá”, afirmou ele, para a reportagem do Olhar Direto, após participar de evento na Escola Conselheiro Oscar Ribeiro, no Tribunal de Contas do Estado (TCE).
 
Mauro Mendes repetiu o a tese de que só pretende tratar de eleições em 2016, mas deixou escapar que, nos encontros com dirigentes partidários, sempre há tempo para avaliar o quadro político. “É absolutamente normal que se faça isso. A conversa sobre o cenário político é praxe e não quer dizer que se trabalha para buscar alianças. Mas meu tempo [de decidir candidatura] é 2016”, ponderou ele.

O prefeito avaliou ainda que, com base nas declarações públicas de Pedro Taques, caso decida por disputar a reeleição, em 2016, estarão no mesmo palanque. Mendes disputou o governo em 2010 e montou palanque para Taques se eleger senador; e, em 2012, houve retribuição do apoio, em sua vitória para a Prefeitura de Cuiabá.

Depois, em 2014,  Mauro foi um dos articuladores e coordenadores da vitória arrasadora de Taques para o governador, no primeiro turno. Em 2010, inclusive, Mendes criou a inflexão verbal "Tamo junto", para colar a então incipiente candidatura de Taques ao Senado à sua para goverandor. Um acinte ao vernáculo que funcionou bem como marketing político.
 
Mauro Mendes não fala sobre a possível aproximação com PMDB, que terá brevemente o seu amigo e senador Blairo Maggi (PR) como principal cacique. Maggi estaria em rota de colisão com Pedro Taques.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade