70 LOJAS FECHAM NOS SHOPPINGS DE MT
06.03.2017

Setenta lojas foram fechadas nos shoppings de Mato Grosso no último ano. Ao fim de 2016 havia 978 empresas ativas nos 5 empreendimentos em operação no Estado. Em 2015, elas somavam 1,048 mil. De um ano para o outro, a vacância nos shopping centers mato-grossenses aumentou 6,67%, taxa superior àquela verificada no âmbito nacional, que atingiu 4,6% no mesmo período. 

A desocupação observada em 2016 é recorde para os últimos 6 anos, como revela o Censo Brasileiro de Shopping Centers 2016/2017, divulgado pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce). O menor índice de vacância foi registrado em 2011, quando aumentou 1,7% sobre o ano anterior. 

A quantidade de empresas fechadas no último ano nos shoppings também foi levantada informalmente pela União dos Lojistas de Shoppings de Mato Grosso (Unishop), que identificou 65 lojas e quiosques extintos em 3 shoppings da Capital e região metropolitana. 

A entidade calcula que 500 colaboradores diretos tenham perdido seus empregos. “Se computarmos as lojas fechadas em shoppings de Mato Grosso temos algo como 70% de um shopping vazio”, comenta o presidente da Unishop, Júnior Macagnam. Ainda conforme os últimos censos da Abrasce, a quantidade de empregos mantidos nos shoppings do Estado totalizou 12,032 mil em 2016 e 10,496 mil em 2015. 

Os números apontam aumento de 14,63% ou 1,536 mil novos postos de trabalho gerados de um ano para o outro, apesar da queda no número de lojas. Resultado que se contrapõe ao desempenho obtido com as vendas nesses empreendimentos, que movimentaram R$ 1,660 bilhão no Estado em 2016, ante R$ 1,837 bilhão no ano anterior, baixa de 9,63%. Para este ano, a Abrasce projeta que sejam faturados R$ 2,064 bilhões com as vendas nos 5 shoppings ativos no Estado. “As vendas caíram drasticamente e os custos continuam altos”, expõe uma empresária que optou pelo anonimato. 

“Venho enfrentando dificuldades há 1 ano, período em que as vendas vêm caindo”, relata, em referência às operações de uma das lojas instaladas num shopping da Capital. 

Caso não consiga chegar a um acordo com a administração do shopping para reduzir os valores condominiais, ela fechará a loja no espaço. “Na ala do shopping onde mantenho a outra loja já foram encerradas umas 3 operações”. 

Depois de mais de uma década com o empreendimento comercial ativo em um shopping da Capital, outra empresária que não quis se identificar decidiu encerrar as atividades no local. Optou por manter apenas a unidade matriz, fora de shopping e onde funciona há 40 anos. “Decidi unificar num mesmo endereço. O custo operacional no shopping é muito alto e aumenta todo ano”, afirma. 

“Reajusta o condomínio, que é pago à parte do aluguel. Os administradores dos shoppings terceirizam o estacionamento, ganham em cima e a gente ainda paga IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) do estacionamento”. 

Conforme ela, no último ano, o fluxo de clientes diminuiu cerca de 10% em comparação com 2015. “Este ano ainda não reagiu e a tendência é ficar assim. Então, para não ver o prejuízo aumentar e conseguir pagar funcionários e fornecedores, resolvi fechar”. 

Ela diz que metade dos 27 funcionários que atuavam no empreendimento fechado na última semana poderá atuar na unidade matriz. “Deixamos todo mundo à vontade para decidir pelo que achar melhor”. 

Para o presidente da Unishop, o grande desafio dos empreendedores para 2017 será encontrar empresários dispostos a investir. “No ano passado foram fechadas mais de 3,3 mil empresas em Mato Grosso”, prossegue Macagnam. 

Segundo ele, esse desempenho negativo alçou o Estado à 8ª posição no ranking nacional de extinções de empresas. “A crise está além dos shoppings”. 

Para ele, a crise econômica nacional somada à elevada carga tributária para micro e pequenas empresas, que representam mais de 70% dos estabelecimentos mato-grossenses, contribuem para esse encolhimento dos negócios no Estado. 

DIMENSÕES 

Diagnóstico feito pela Abrasce sobre o segmento mostra ainda que para abrigar as lojas ativas em 2016, os 5 shoppings dispunham de 152,615 mil metros quadrados de Área Bruta Locável (ABL). 

Em 2015, a ABL alcançava 152,719 mil m2. Individualmente, a maior ABL está contida no Pantanal Shopping e com extensão de 46,345 mil m2. Administrado pela Ancar Ivanhoé, o complexo inaugurado em 2004 abriga 217 lojas, sendo 10 lojas-âncora. Tem capacidade para 2,049 mil veículos no estacionamento.

Em dimensão individual, o Várzea Grande Shopping -último inaugurado em Mato Grosso, em outubro de 2015 -é o 2º maior empreendimento do gênero no Estado e possui 35 mil m2 de ABL. Comporta 233 lojas, e 1,5 mil veículos no estacionamento, é administrado pela Saga Malls. 

O estudo cita ainda o shopping Três Américas, 3º maior de Mato Grosso com 26,919 mil m2, e disponibilidade para 232 lojas e 1,2 mil veículos no estacionamento. Entre os empreendimentos em operação, este é o 2º mais antigo, inaugurado em junho de 1996. Um pouco menor, o Goiabeiras Shopping é o 4º maior em operação e o mais antigo no Estado. Inaugurado em 1989, possui ABL de 26,351 mil m2, suficiente para acomodar 210 lojas. 

O estacionamento abriga até 1,099 mil veículos. Além de Cuiabá e Várzea Grande, o município de Rondonópolis, mantém desde 2001 o shopping Rondon Plaza, com 18 mil m2 de ABL, 86 lojas e 1,3 mil vagas de estacionamento. É administrado pelo grupo Jar. 

Outra cidade do interior do Estado que terá seu próprio shopping center é Sinop. Com ABL total de 22,550 mil m2, o novo shopping será inaugurado em 2018 com capacidade para 143 lojas. 

Na Capital mato-grossense, as obras do 4º shopping da cidade seguem aceleradas. A previsão é que o shopping Estação Cuiabá seja inaugurado no fim deste ano e que reúna 219 lojas em seus 46 mil m2 de ABL. Será o maior shopping de Mato Grosso, com 2,150 mil vagas de estacionamento, conforme dados informados pela administradora BR Malls. 

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade