SILVAL, RIVA E BOSAIPO VIRAM RéUS ACUSADOS DE DESVIOS NA AL
20.06.2017

A juíza Célia Regina Vidotti, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, recebeu, nesta segunda-feira (19), uma ação de improbidade administrativa contra o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) e os ex-deputados estaduais José Riva e Humberto Bosaipo.

 

Na ação, proposta pelo Ministério Público Estadual (MPE), os três são acusados de terem desviado e se apropriado de recursos públicos da Assembleia Legislativa, no valor de R$ 693 mil. 

 

Também estão sendo acusados do crime o ex-deputado Hermínio Barreto, o ex-secretário da Assembleia Legislativa, Guilherme da Costa Garcia, e o ex-chefe de gabinete de Riva, Geraldo Lauro. Com o recebimento da petição, eles passam a ser réus da ação.

 

Segundo os autos do processo, o desvio teria acontecido por meio de emissão de cheques a empresa Guará Táxi Aéreo Ltda, que foi contratada sem a realização de processo licitatório para prestar serviços para o Legislativo.

As partes são legítimas, estão devidamente representadas e munidas de interesse processual. Não há irregularidades ou nulidades a serem corrigidas

 

Conforme a ação, os advogados de Silval, Riva e Geraldo contestaram a acusação e afirmaram que a empresa foi contratada de forma regular.

 

“Não foi ilegal, trata-se de empresa regularmente constituída, que prestou os serviços contratados, e os respectivos pagamentos foram feitos de forma regular. Inclusive, salienta que suas contas foram aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso e essa decisão não pode ser desconsiderada”, alegou a defesa de Silval Barbosa.

 

Já o advogado de Riva alegou ilegitimidade nas folhas de cheques apresentadas pelo MPE como provas dos desvios, “pois várias são ilegíveis e, portanto, inaptas para demonstrar o suposto dano ao erário mencionado na inicial, bem como há divergência no número apontado na inicial, onde consta que seriam 31 cheques, mas foram juntados apenas 30 cheques emitidos pela Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso à empresa Guará Taxi Aéreo”, disse.

 

O ex-servidor público Geraldo Lauro também alegou “ilegitimidade” e “inexistência” de improbidade administrativa, uma vez que, segundo ele, jamais teria participado de qualquer trama “para dilapidar o patrimônio público, não tinha poderes para contratar serviços em nome da ALMT, tampouco atribuições no setor de licitações”.

 

Humberto Bosaipo, Hermínio Barreto e Guilherme da Costa Garcia não apresentaram contestações.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade