SARGENTO DA PM QUE ASSUMIU TER PARTICIPADO DE GRAMPOS é EXONERADA EM MT
13.06.2017

O Governo do Estado exonerou, na segunda-feira (12), a sargento Andréa Pereira de Moura Cardoso do cargo comissionado que ela ocupava na Casa Militar. A decisão ocorreu após a policial revelar, em 26 de maio, que participou do esquema de interceptações telefônicas ilegais no Estado.

De acordo com denúncia encaminhada pelo promotor de Justiça e ex-secretário de Segurança POública, Mauro Zaque, à Procuradoria Geral da República (PGR), em janeiro, a sargento e os cabos Gerson Luiz Ferreira Corrêa Junior e Clayton Dorileo Rosa de Barros tinham livre acesso às quebras de sigilo ilegais que aconteciam no Estado. Os três haviam sido nomeados para ocupar cargos na Casa Militar, após supostamente terem participado das interceptações ilegais.

O atual chefe da Casa Militar, coronel Evandro Alexandre Lesco, também foi apontado pelo promotor Mauro Zaque como membro do esquema de grampos clandestinos. Ele teria sido responsável por comprar, à vista, dois equipamentos que foram usados para interceptações telefônicas.

Os itens foram comprados por R$ 24 mil, em nome de Lesco, porém na nota fiscal constava o endereço da sede do Comando Geral da Polícia Militar, em Cuiabá. Somente a sargento confessou participação no esquema de grampos clandestinos.

Apenas a praça foi exonerada da Casa Militar, sendo que os outros permanecem na pasta. O cabo Gerson Luiz Ferreira Corrêa está preso desde 23 de maio, sob a acusação de ser um dos responsáveis por solicitar as interceptações criminosas.

Apesar de o ato da demissão de Andréa ter sido assinado na segunda-feira, o Governo do Estado assinalou que ela está afastada do cargo de Direção Geral e Assessoramento da Casa Militar desde o fim do mês passado. A exoneração dela é retroativa ao dia 30 de maio na publicação feita no Diário Oficial do Estado, nesta terça-feira (13).

Andréa revelou à Corregedoria da Polícia Militar do Estado, durante depoimento espontâneo, que participou das interceptações ilegais a mando do secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos, coronel Airton Benedito Siqueira Júnior, e do ex-comandante da Polícia Militar no Estado, coronel Zaqueu Barbosa, que também está preso desde 23 de maio, sob a acusação de integrar o grupo que fazia as interceptações ilegais. Para realizar os grampos clandestinos, ela disse ter sido orientada pelo cabo da PM, Gerson Luiz Ferreira Correa Junior.

Após receber as indicações dele, ela teria teria começado a atuar em uma sala do edifício Master Center, na Capital, onde fazia interceptações telefônicas. No depoimento à PM, ela garantiu que cumpriu ordens dos superiores "não havendo nada de ilegal em suas ações, uma vez que não imaginava que as interceptações eram ilícitas".

Os três advogados de Andréia pediram medidas garantidoras de proteção à vida da policial e também à sua carreira na PM. Para auxiliar nas investigações sobre o caso, a sargento entregou à Corregedoria o notebook que teria sido utilizado para a realização das interceptações telefônicas ilegais. O aparelho passará por perícia.

Segundo a praça, uma sala no edifício Master Center, na região central de Cuiabá, foi alugada para fazer o monitoramento ilegal. Ela citou nome de outros militares que trabalharam no esquema.

Andréa continua exercendo suas funções na Polícia Militar, porém deverá responder a um procedimento administrativo disciplinar. Ela corre o risco de ser demitida e perder o salário de cerca de R$ 5 mil.     

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade