NADAF CONFIRMA ESQUEMAS EM MT
10.07.2017

O ex-secretário chefe da Casa Civil, Pedro Nadaf, revelou ao Ministério Público Federal (MPF) todos os detalhes do esquema na venda de um terreno de R$ 31,7 milhões no Bairro Jardim Liberdade, em Cuiabá, ocorrido em 2014.

O depoimento, obtido pelo MidiaNews (veja a íntegra ao final da matéria) e prestado em janeiro deste ano, faz parte do acordo de colaboração premiada firmado entre Nadaf e a Procuradoria-Geral da República, homologado pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), em março.

No acordo, Nadaf se comprometeu a devolver R$ 17,5 milhões aos cofres públicos.

A oitiva do ex-secretário foi feita pela procuradora da República Vanessa Scarmagnani, que atua no Estado. Os fatos envolvendo o esquema também são investigados na 4ª fase da Operação Sodoma, em que Nadaf é réu confesso.

Início do esquema

Segundo Nadaf, em 2014 o então governador Silval Barbosa (PMDB) – também réu confesso - o chamou para pensar em uma maneira de arrecadar dinheiro e pagar uma dívida com o empresário Valdir Piran, do ramo de factoring.

Dias depois, Silval disse que o procurador do Estado Chico Lima havia encontrado uma solução para o pagamento da dívida: um processo de desapropriação em um terreno no Bairro Jardium Liberdade, em Cuiabá, com sentença favorável ao proprietário e que o Estado deveria pagar.

A solução englobaria exigir que 50% do montante pago ao dono do terreno retornasse à organização criminosa. No esquema, Nadaf disse que ficou responsável por preparar o orçamento e Chico Lima por formular os pareceres favoráveis à desapropriação.

O ex-secretário afirmou que posteriormente se reuniu com o então secretário de Fazenda, Marcel de Cursi, para confirmar a participação deste no esquema. 

“Marcel de Cursi ficou de estudar como a Sefaz pagaria o valor de R$ 31,7 milhões, de onde sairia o recurso, e também como seria efetuada a forma de pagamento desse dinheiro pelo Governo”.

Por sua vez, conforme Nadaf, Cursi entendeu que a melhor forma era pagar o montante em sete parcelas. Nadaf então repassou a informação ao então secretário de Planejamento, Arnaldo Alves.

Execução

Segundo Nadaf, Chico Lima foi o responsável por fazer o contato entre o Governo, o proprietário da área - o delator Antônio Rodrigues de Carvalho - e seu advogado, Levi Machado.

Chico Lima também teria dito que tinha um amigo dono de factoring que iria operacionalizar os R$ 15,8 milhões que retornariam ao grupo. Esse amigo seria o empresário Filinto Muller, também delator do esquema.

De acordo com o ex-secretário, Chico Lima também assegurou que Filinto ficaria com a tarefa de repassar os R$ 10 milhões destinados a Silval para pagar parte da dívida com Valdir Piran, que seria de R$ 40 milhões.

“Os demais R$ 600 mil seriam destinados a empresa que iria lavar o dinheiro e os R$ 4,4 milhões restantes seria distribuídos entre eu, Chico Lima, Marcel de Cursi, Arnaldo Alves e Afonso Dalberto [ex-presidente do Intermat e delator]”.

Nadaf disse que, além de sua parte, recebeu a propina de Marcel de Cursi. O titular da Sefaz, todavia, pediu para ser pago em ouro, sendo que Nadaf então encomendou R$ 1 milhão em barras de ouro do ex-presidente da Companhia Mato-grossense de Mineração (Metamat), João Justino – também delator.

Na prática, Nadaf disse que acabou ficando com R$ 500 mil, pois teve que pagar R$ 200 mil ao jornalista Antônio Millas – que teria extorquido o grupo.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade