“TAQUES TERMINARá BEM O GOVERNO E, DIFICILMENTE, TERá ADVERSáRIO”
10.07.2017

Uma disputa relativamente tranquila e sem muitos “candidatos novos”. Desta forma, o deputado estadual Gilmar Fabris (PSD) visualiza o pleito eleitoral do próximo ano, no que diz respeito à sucessão no Palácio Paiaguás.

 

Para ele, o governador Pedro Taques (PSDB) conseguirá terminar bem o seu mandato, o que o credenciará a vencer a disputa à reeleição, se esse for o desejo do tucano.

 

“Quem está no Governo já sai à frente de qualquer outra pessoa. E eu, acreditando que o Pedro Taques vai ali à frente findar com uma grande administração, vejo que, dificilmente, ele terá um adversário”, disse Fabris, em entrevista ao MidiaNews.

 

“Além disso, acredito que o grupo político que ora apoia o atual Governo é muito forte. ‘Ah, mas o senhor não acredita que pode surgir um candidato novo por aí?’ Acho muito difícil. ‘Uma nova opção?’ Muito difícil, até porque, a política mudou muito. É muito melhor dar continuidade do que arriscar no novo de novo”, afirmou o parlamentar.

 

Na entrevista, o deputado também fala sobre momentos críticos enfrentados pelo governador, como a negociação com servidores em relação ao pagamento da Revisão Geral Anual (RGA). Citou, ainda, a falta de recursos e os consequentes atrasos em áreas como a da Saúde, além de débitos com os poderes e instituições.

 

Eu, acreditando que o Pedro Taques vai ali à frente findar com uma grande administração, vejo que, dificilmente, ele terá um adversário

Fabris também falou sobre o escândalo envolvendo as escutas ilegais no âmbito da Polícia Militar, episódio que ele classificou como “muito confuso” e que, em sua avaliação, não ocorreu a mando de Taques.

 

Por fim, comentou sobre a recente operação envolvendo desvios de recursos públicos, em um convênio entre a Assembleia Legislativa e a Faespe, além de falar de seu futuro político.“Quero morrer deputado estadual”, afirmou.

 

Veja os principais trechos da entrevista:

 

MidiaNews – O senhor é um dos principais defensores do Governo Pedro Taques. Como avalia a gestão até o momento?

 

Gilmar Fabris – Eu tenho percorrido Mato Grosso nos últimos dias e visto obras do Governo em todas as cidades. Em todas as cidades em que fui, o Governo está presente. Antes eu até achava que deveria ter uma comunicação maior a respeito dessas obras. Acho que o Governo fazia mais do que divulgava. Depois que o secretário Kleber Lima entrou, parece que deu uma melhorada e as coisas estão acontecendo mais. Acho que o governador, primeiro, pegou a maior crise já existente no País nos últimos 30 anos. E ele, dentro do possível, tem tocado o Governo.

 

Às vezes o que falta ao governador - até na ânsia de querer fazer e não dar conta -, ele acaba respondendo asperamente, até mesmo a imprensa. Vou dar um exemplo que foi a RGA [Revisão Geral Anual], uma situação que, desde a primeira reunião que fizemos com o governador, ele deixou bem claro que desejava pagar. Tinha até algumas sugestões que não havia a necessidade de pagar, pelo fato de o País estar em crise. Mas ele disse: "Quero pagar. Sei o que é ser servidor público, muitos acham que eles são privilegiados, mas penso que eles são sofredores. Então quero, dentro do possível, pagar a RGA".

 

E aí, quero inclusive, frisar nessa entrevista, a presença do chefe da Casa Civil, José Adolpho. Ele foi de uma habilidade muito grande. Jamais colocando na frente o seu nome, a sua pessoa, mas sim colocando sempre à frente o assunto. Com dias e dias de conversação, a coisa foi se diluindo e foi chegando a um acordo. Evidente que o governador que determinou que o secretário fizesse e ele fez com muita competência. É um secretário novo e que já se tornou um grande executivo. Teve um conduta que foi de muito respeito com os servidores.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade