“CADA UM RESPONDE POR SEU CPF; NãO POSSO RESPONDER POR OUTRO”
24.10.2017

O governador Pedro Taques (PSDB) afirmou que não pode ser responsabilizado por eventuais atos ilegais praticados por membros de seu secretariado.

 

“No Brasil, desde a morte de Tiradentes, vigora o princípio da intranscendência (não herança criminal). Cada um responde pelo seu CPF. Eu não posso responder pelo que o outro faz”, disse o governador.

 

A declaração está relacionada aos desdobramentos das investigações que apuram um esquema de grampos clandestinos operado pela Polícia Militar em Mato Grosso.

 

No Brasil, desde a morte de Tiradentes, vigora o princípio da intranscendência (não herança criminal). Cada um responde pelo seu CPF. Eu não posso responder pelo que o outro faz

O esquema levou à prisão membros do alto escalão do Governo, como os ex-secretários de Estado, Paulo Taques (Casa Civil), Evandro Lesco (Casa Militar), Airton Siqueira (Justiça e Direitos Humanos) e Rogers Jarbas (Segurança Pública), além do ex-comandante da Polícia Militar, coronel Zaqueu Barbosa.

 

Sobre as denúncias das escutas clandestinas em si, o governador disse que tem encarado os fatos com “total tranquilidade”.

 

“Quando eu decidi entrar na política, chamei a minha família e disse: ‘nós passaremos por momentos difíceis e enfrentaremos acusações, mas não vou esmorecer’. Eu tenho um compromisso com o povo de Mato Grosso e vou cumpri-lo. Agora, é certo que algumas pessoas não querem, mas podem ficar tranquilos, porque eu não desisto”, disse Taques.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade