FáVARO DIZ QUE CRíTICAS FEITAS A TAQUES SãO CONSTRUTIVAS E PSD NãO DECIDIU SE CONTINUA NA BASE
15.03.2018

O vice-governador Carlos Fávaro (PSD) revelou ter criticado publicamente a escolha do governador Pedro Taques (PSD) pela opção da criar um Fundo de Estabilidade Fiscal (FEF) como alternativa para equilibrar as contas do Estado, por dever um posicionamento a população mato-grossense, que também acabará sendo taxada. 

Leia também
Ministro libera R$ 8,5 milhões para obras da UFMT em VG; Estado conclui ponte


Segundo Fávaro, o cidadão brasileiro não aguenta mais impostos e as críticas que tem feito ao governador são construtivas para ajudar o estado a crescer. Ele também pontuou que é dever de um político sempre ter posicionamento.

“O cidadão brasileiro não aguenta mais o aumento de carga tributária. Eu sei que Mato Grosso vive um momento difícil, medidas precisam ser tomadas, mas aumento de carga tributária por si só é inconcebível, o brasileiro não aguenta mais. O governo precisa sim cortar gastos, enxugar o tamanho da máquina mesmo que isso não conquiste popularidade. É preciso fazer isso para depois convencer a sociedade que tem que contribuir mais”, avaliou durante a visita do ministro da Educação Mendonça Filho em Várzea Grande.

“Minha relação com o Taques é muito boa e as críticas que faço são construtivas. O ex-vice-presidente da República José de Alencar quando o governo Lula aumentava a taxa de juros, ele externava sua indignação para construir, ajudar. Isso é importante. Pontuei estas críticas por três anos internamente e venho pontuando. Mas um político hoje precisa se posicionar e eu não posso deixar de dar uma resposta a sociedade”, declarou o vice-governador.

Com sua pré-candidatura ao Senado lançada desde a decisão do ministro Blairo Maggi de se afastar da política, Fávaro que é presidente estadual do PSD, também disse que o partido ainda não definiu se continuará na base do governador Pedro Taques e que a partir do mês que vem com as convenções, a decisão será tomada.

“Existe uma ala no partido que quer continuar junto da base do governador Pedro Taques e alguns não querem continuar. Eu vou ouvir as bases, vamos formar diretórios nos 141 municípios e teremos a convenção estadual em abril para decidir isso”, pontuou.

Nos últimos dias, além de criticar o fundo de estabilidade proposto por Taques, Fávaro também criticou a autuação de fiscais da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz-MT) a produtores rurais por movimentar maquinários agrícolas em local diverso do especificado na nota fiscal.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade