EX-ASSESSOR DIZ QUE CHEQUES DE ALVO PAGARAM CONTAS DE NININHO
19.03.2018

O ex-assessor do deputado estadual Ondanir Bortolini “Nininho”, Tschales Tschá, afirmou que os cheques recebidos em 2014 do então sócio da Santos Treinamento (empresa investigada na Operação Bereré), Claudemir Pereira, foram usados para pagar despesas do político.

 

A informação foi dada por Tschales em depoimento ao Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), no dia 7 de março. Atualmente, ele é diretor-presidente da Concessionária Morro da Mesa, empresa da qual Nininho é sócio.

 

O deputado confirmou a versão, mas afirmou que não sabia que os cheques eram de Claudemir, uma vez que teriam sido emitidos por factorings as quais ele pegava empréstimos (veja o posicionamento ao final da matéria).

 

A Operação Bereré, deflagrada no mês passado, apura esquema de fraude, desvio e lavagem de dinheiro no âmbito do Detran-MT, na ordem de R$ 27,7 milhões, que operou de 2009 a 2015.

 

Segundo as investigações, parte dos valores repassados pelas financeiras à EIG Mercados por conta do contrato com o Detran-MT retornava como propina a políticos, dinheiro esse que era “lavado” pela Santos Treinamento – parceira da EIG no contrato - e por servidores da Assembleia, parentes e amigos dos investigados.

 

Nininho não foi alvo da Bereré, mas as investigações apontaram que ele recebeu um cheque de R$ 1 mil, no dia 20 de fevereiro de 2014, emitido por Claudemir Pereira - na época ainda sócio da Santos Treinamento.

 

tscharles tscha

O ex-assessor de Nininho, Tschales Tschá

Já Tschales Tschá, então assessor do deputado, teve depositado em sua conta outros dois cheques, na mesma data, de R$ 1,5 mil e R$ 4,5 mil, também oriundos do empresário.

 

Ele trabalhou na assessoria de Nininho até janeiro de 2015 e, desta data até janeiro de 2017, passou a atuar como secretário-geral da Assembleia Legislativa.

 

“Era comum”

 

Na oitiva, Tschales Tschá afirmou que era comum ele receber cheques e valores em espécie de terceiros das factorings que operavam com o deputado, “mas poucas vezes referidos cheques transitaram na minha conta pessoal”.

 

“Provavelmente o cheque compensando por mim no dia 20/02/2014, no valor de R$ 10 mil, emitido por Claudemir Pereira dos Santos, seja um destes”.

 

Apesar de Tschales citar um cheque de R$ 10 mil, no pedido de busca e apreensão este cheque não foi elencado pelo MPE.

 

O ex-assessor disse que nunca teve negócios com Claudemir Pereira e que o valor de R$ 1,5 mil compensando de um dos cheques e depositado em sua conta “provavelmente foi o ressarcimento de alguma despesa paga pelo mesmo e relacionada a alguma despesa pessoal de algum familiar do deputado Nininho ou do gabinete dele”.

 

Ele disse que não se lembra de conhecer Luziene Alves da Silva, também beneficiária de valores, mas que o depósito de R$ 3 mil em favor dela foi feito por determinação de Nininho.

 

“Todas as operações relacionadas a este cheque não possuem qualquer relação comigo, sendo que as efetivei por determinação do deputado Nininho”.

 

De acordo com Tschales, as situações investigadas não foram as únicas em que ele recebeu e sacou recursos de sua conta pessoal a pedido de Nininho.

 

“Algumas vezes o deputado precisou recorrer a factorings para atender a despesas pessoais dele e de seu gabinete de deputado Estadual e, algumas vezes, parte desses recursos passaram pela minha conta e isso ocorreu apenas na sua conta pessoa física do Banco do Brasil”.

Todas as operações relacionadas a este cheque não possuem qualquer relação comigo, sendo que as efetivei por determinação do deputado Nininho

 

Ainda na oitiva, Tschales revelou que Nininho recorria às factorings de Valcir Piran (Kuqui), irmão de Valdir Piran; de Francisco Ferres, conhecido como “Chico Badotti”;  e de Jurandir Vieira, da Solução Cosméticos.

 

“Essa utilização de factorings pelo deputado Nininho já ocorria inclusive antes de ele assumir o mandato de deputado estadual, quando prefeito municipal de Itiquira, principalmente com o Kuqui Piran, que era amigo pessoal dele”.

 

“Tenho conhecimento deste fato porque na época eu era funcionário daquela prefeitura e pessoa de confiança do então prefeito Nininho. Inclusive, há alguns anos o deputado Nininho entregou uma aeronave dele para ‘Kuqui’ para quitar esses empréstimos”.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade