SEIS SãO PRESOS POR TIROTEIO EM UPA DURANTE RESGATE DE DETENTO
24.04.2018

A Polícia Civil deflagrou na manhã desta terça-feira (24) a operação Sangue Inocente, para cumprir mandados de prisão contra os responsáveis pela tentativa de resgate na UPA Morada do Ouro.

 

O caso aconteceu no dia 13 de fevereiro, uma terça-feira de Carnaval. Na ocasião, cinco pessoas ficaram feridas, entre elas um bebê de seis meses.

 

As investigações identificaram oito envolvidos no crime - um deles menor de idade, que dirigiu um dos veículos utilizados na fuga.

 

Ao todo foram cumpridos sete mandados de prisão temporária expedidos pela 12° Vara Criminal da Capital. A DHPP cumpriu seis mandados nesta terça-feira (24). Um suspeito continua foragido.

 

O autor dos disparos foi identificado como L.H.O., reconhecido pelas vítimas. Ele preso pela Polícia Militar em 19 de fevereiro com armas, munições e um dos veículos usados na ação. Na ocasião, também foram presos L.B. e sua esposa.

 

Segundo a Polícia, participaram da tentativa de resgate L.O., L.B., B.L.S. e M.D.A. Eles tiveram os mandados cumpridos na Penitenciária Central do Estado (PCE), assim como J.E.B.F., preso que seria resgatado.

 

Um mandado de prisão foi cumprido contra o detento L.M.S., do presídio de Água Boa. Apesar de estar preso na época dos fatos, as investigações apontaram que ele, em conjunto com J.E.B.F., planejou por meses a ação de “resgate”.

 

“Foram necessárias duas fases da operação para apurar com rigor o crime, além de grande empenho dos policiais envolvidos na investigação. O caso é complexo, os criminosos planejaram os atos em detalhes, além disso são vários os autores o que aumenta os esforços investigativos para individualizar as condutas”, destaca o delegado à frente das investigações, Marcelo Fernandes Jardim.

 

A segunda fase da operação deverá ser concluída em breve com a finalização dos trabalhos de perícia, além da realização de diligências pendentes e outras prisões.

 

Para o secretário de Estado de Segurança Pública, Gustavo Garcia, a operação está em sintonia com as ações de enfrentamento constante que vem sendo desenvolvidas em todo o Estado. “Todos os esforços necessários são adotados continuamente para atuar com técnica, firmeza, comprometimento e ações especializadas contra diferentes modalidades criminosas”.

 

Os presos vão responder por tentativa de fuga de pessoa presa, qualificada pelo concurso de pessoas e emprego de arma de fogo, somadas às penas correspondentes às violências praticadas contra as pessoas que estavam na UPA (cinco tentativas de homicídio) e por integrarem organização criminosa.

COMENTÁRIOS

*** **  ***


VÍDEOS

      
BUSCA:
© Copyright 2014 A Notícias - Política de Privacidade