25 de Maio de 2024

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO

CIDADES Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2022, 08:47 - A | A

Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2022, 08h:47 - A | A

QUALIDADE GARANTIDA

Feira da Agricultura Familiar serve de vitrine para produtos com registro do Serviço de Inspeção Municipal

Redação

Dentre os produtos expostos na Feira da Agricultura Familiar, realizada na última quinta-feira (15)no Paço Municipal Couto Magalhães, havia alguns de origem animal e que, por isso, obrigatoriamente devem ter registro do Serviço de Inspeção Municipal (SIM). A banha e o torresmo produzidos pela família de Juliana Umbelina, moradora da comunidade Pai André, e o mel, própolis, geleia real e pólen produzidos pelas abelhas do apicultor José Catarino Mendes atendem a essa exigência legal, que garante a qualidade de seus artigos.

Juliana Umbelino relata que obteve o registro há cerca de 3 anos. “É um pouco burocrático até conseguir todas as liberações, mas fizemos todas as adequações necessárias para aderir ao SIM e agora estamos correndo atrás do SUSAF (Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar e de Pequeno Porte) para poder vender em todo o estado”.

Quer ficar bem informado em tempo real? Entre no nosso grupo e receba todas as noticias (ACESSE AQUI).

Segundo ela, a banha e o torresmo são a única fonte de renda da família, composta por três pessoas. E o registro no Serviço de Inspeção Municipal possibilitou que ela pudesse fornecer seus produtos em diversos pontos de venda de Várzea Grande. “Nós já estamos em praticamente todos os supermercados e açougues da cidade”. Ela elogiou a iniciativa da Prefeitura de Várzea Grande, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável (SEMMADRS), em parceria com a Prefeitura de Nossa Senhora do Livramento, de promover a Feira da Agricultura Familiar. “Gosto de trabalhar em feira porque divulga mais o trabalho”.

Quem também valoriza a regularização da atividade é José Catarino Mendes, químico, professor aposentado, apicultor e proprietário da loja Biomendies Produtos Naturais, que vende mel, própolis, geleia real, própolis, entre outros.  

Apesar de seus mais de 30 anos de experiência com a apicultura, inclusive tendo especialização e já tendo sido consultor do SEBRAE, José Catarino obteve o registro SIM há cerca de 5 anos. “Ajuda porque para colocar no mercado tem que ter. Estamos em namoro com o Estado para conseguir o SUSAF e poder alcançar todo o Mato Grosso”, afirma José Catarino. Atualmente, a venda é feita em sua loja, que fica na Rua Antônio Norberto de Barros, Centro de Várzea Grande (atrás da igreja Nossa Senhora do Carmo) e também fornece para as unidades do Sesc Cuiabá e Pantanal.

Em relação às políticas públicas voltadas para apoio à agricultura familiar, o apicultor defende que haja essa interação. “Contribui não só com a apicultura, mas com todo o meio produtivo. Eu sou muito grato ao Senar, ao Sebrae, à Prefeitura por essa feira porque eu viso divulgar meu trabalho. É importante ter esse feedback entre o poder público e o setor produtivo para esclarecer para o produtor, que muitas vezes não tem informação em relação à legislação. Eu tenho a Kelly como um anjo da guarda porque ela que me avisou sobre a feira”, diz.

O “anjo da guarda” no negócio de José Catarino é Kelly Enciso, médica veterinária e Coordenadora do Serviço de Inspeção Municipal (SIM) de Várzea Grande. Ela explica que para obter o SIM municipal é preciso atender a um check-list que envolve toda a legislação que garante a sanidade animal e segurança alimentar. “Nós estamos com seis estabelecimentos registrados, cinco de inspeção periódica e um de inspeção permanente, que é o abate de ovinos e caprinos. Os demais são banha, mel e entrepostos de pescado”.

Conforme a profissional, dependendo do alcance comercial do produto de origem animal, ele precisa ter o registro de inspeção municipal, estadual ou federal. “Essa é a garantia que ele foi inspecionado dentro da indústria e que ele está apto ao consumo humano. Esse é o diferencial de quem tem o registro do serviço de inspeção e quem anda na clandestinidade. Se você comprar um queijo cabacinha que não tem inspeção, para quem você vai reclamar se você consumir e passar mal? É uma garantia para o consumidor porque vai ter um Serviço de Atendimento ao Consumidor, a data de validade, entre outros requisitos”, elenca.

O serviço é composto por etapas rígidas de verificação da qualidade, como análises laboratoriais microbiológicas e físico-químicas, além das próprias inspeções periódicas e permanentes. “Toda vez que tem abate de ovinos e caprinos, um de nós está lá acompanhando a inspeção dos animais para ver se está livre de patógenos e zoonoses, que são doenças que atingem humanos e animais. Então, a inspeção é para garantir a saúde, a segurança alimentar do consumidor. Estamos prevenindo uma doença. É mais barato do que estar remediando”, afirma Kelly Enciso.

Ainda conforme a coordenadora do SIM Várzea Grande, a regulamentação beneficia tanto o consumidor, que tem acesso a alimentos seguros, quanto o produtor, que agrega valor ao seu negócio. “Ao obter o registro, você pode vender no supermercado, na feira, nas grandes redes. Estamos pleiteando o SUSAF e o Consórcio do Vale do Rio Cuiabá para podermos proporcionar aos pequenos produtores de Várzea Grande que eles possam comercializar os produtos daqui em todo o estado ou, no mínimo, nos 13 municípios que fazem parte do Vale do Rio Cuiabá”.

Comente esta notícia

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do A Notícia MT (anoticiamt.com.br). É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site A Notícia MT (anoticiamt.com.br) poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

image