24 de Junho de 2024

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO

GERAL Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2023, 10:56 - A | A

Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2023, 10h:56 - A | A

ARTIGO

A jornada invisível das "Donas Marias"

Gregório José

Numa pacata cidade, vivia um casal, João e Maria. João trabalhava em uma empresa comum, recebendo um salário que mal dava para sustentar a família. Ele frequentemente reclamava da vida, sentindo o peso das responsabilidades sobre seus ombros.

Maria, sua esposa dedicada, não trabalhava fora, como João costumava frisar. Seu dia começava cedo, preparando o café não apenas para si, mas também para os filhos do casal. Enquanto João descansava na empresa durante o horário do almoço, Maria lavava a louça acumulada na pia e arrumava a casa. Ela acordava os filhos, ajudava-os nos deveres de casa, fazia o almoço e cuidava para que tudo estivesse em ordem.

Quer ficar bem informado em tempo real? Entre no nosso grupo e receba todas as noticias (ACESSE AQUI).

Após deixar os filhos na escola, Maria assumia uma lista de tarefas que incluía pagar contas deixadas pelo marido, fazer compras no sacolão de verduras para garantir uma alimentação saudável para a família, enfrentar filas na UBS para pegar senha da consulta do marido e agendar retornos ao pediatra para os filhos. Além disso, ela cuidava das tarefas domésticas, como recolher as roupas no varal, passá-las e organizá-las nos armários.

Ao final do dia, Maria buscava os filhos na escola, conferia os cadernos e notas, assinava cada um deles e preparava o jantar. Mesmo com todas essas responsabilidades, ela encontrava tempo para brincar com os filhos, criando momentos especiais em meio à correria diária.

Quando João chegava em casa, cansado como sempre dizia, tomava um banho rápido e ia para o bar com os amigos, buscando um momento de descontração para espairecer. Maria, a esposa que não trabalhava, como João repetia, dava jantar aos filhos e os colocava para dormir contando estórias maravilhosas de um mundo feliz.

Quando João retornava, muitas vezes reclamando da comida fria no fogão por não ter comido na hora certa, Maria se mantinha amorosa. Mesmo sem trabalhar, como João insistia, ela se deitava ao lado dele, satisfazendo suas necessidades físicas e emocionais.

A rotina de Maria é igual a de milhares de mulheres no Brasil. Ela se repete, com Maria desempenhando suas inúmeras funções sem nunca receber o devido reconhecimento. Ela continuava a tecer a rede invisível que mantinha a família unida, enquanto João, absorvido por suas próprias preocupações, parecia ignorar o valor incalculável do trabalho silencioso e constante de sua esposa.

E, os “Joões” insinuam que suas mulheres, malnutridas e desamadas, levam suas duras sinas de trabalho incansável, sem remuneração, sem reconhecimento, sem entusiasmo, incentivo ou apoio. Quando os “Joões” ajudarão?
Quando as "Donas Marias" terão direito a estudar e terem apoio e ajuda nos afazeres de seus lares?

 

Gregório José
Jornalista/Radialista/Filósofo
Pós Graduado em Gestão Escolar
Pós Graduado em Ciências Políticas
Pós Graduado em Mediação e Conciliação
MBA em Gestão Pública

Comente esta notícia

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do A Notícia MT (anoticiamt.com.br). É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site A Notícia MT (anoticiamt.com.br) poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

image