25 de Maio de 2024

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO

POLÍTICA Quinta-feira, 01 de Dezembro de 2022, 09:40 - A | A

Quinta-feira, 01 de Dezembro de 2022, 09h:40 - A | A

21 DIAS DE ATIVISMO

Audiência pública discute políticas de combate à violência contra meninas e mulheres em Cuiabá

Redação

A Câmara Municipal de Cuiabá promoveu nesta quarta-feira (30), a audiência pública “Diretrizes e Soluções no combate à violência contra meninas e mulheres”, para debater ações que possam auxiliar na redução dos casos em Cuiabá. A ação é uma iniciativa da vereadora Maysa Leão (Republicanos) e faz parte da programação campanha “21 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher”, conduzida pelo movimento Conecta. 

O movimento faz parte da Organização da Sociedade Civil de Atendimento Psicossocial às Mulheres e Crianças em Situação de Violência, ONG “Lírios”.  “O fim da violência é sonho de todas nós. Precisamos pensar em ações e políticas públicas para isso.

Quer ficar bem informado em tempo real? Entre no nosso grupo e receba todas as noticias (ACESSE AQUI).

Enfrentamos medos diários na rua, no trabalho, justamente por ser mulher. Juntas, somos mais fortes e não mediremos esforços para combater este crime”, destacou a vereadora Maysa Leão. 

De janeiro a junho de 2021, o Estado registrou o assassinato de 22 mulheres vítimas de violência doméstica, e nos seis primeiros meses de 2022, foram 21 feminicídios. Nos 12 meses do ano passado, 43 mulheres foram vítimas deste tipo de crime.

Os dados são da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), por meio da Superintendência de Observatório. “É uma responsabilidade grande abordarmos esse assunto tão delicado. Mesmo sendo delegada, me entristeço com cada caso que atendemos. São vários tipos de violência contra a mulher. Cada uma que entra na delegacia traz o sofrimento dela que muitas vezes tem seu relato invalidado e permanece na relação por depender financeiramente do agressor”, ressaltou a delegada da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cuiabá, Jozirlethe Magalhães Criveletto. 

A diretora-executiva da Lírios, Maria Fernanda Figueiredo, explicou como funciona o atendimento às vítimas na instituição. “São pessoas que já se sentem fragilizadas por todo o histórico de violência sofrida. Elas fazem terapia até receber alta clínica, tanto para as meninas como para as mulheres, além acompanhamento jurídico e social para que possam seguir em frente”. Vítima de violência doméstica por 9 anos,  A. C,  é sargento da Polícia Militar e relata que demorou a fazer a denúncia por querer preservar a família. 

“Hoje eu abraço a causa, pois só quem está na situação sabe o quanto é difícil dar um basta. Sofri violência psicológica e quando vi minhas filhas passando pela mesma situação, tive que tomar uma atitude.

A violência acaba com a gente aos poucos. Todas nós nascemos para ser feliz e ter dignidade. Não se calem!”, disse.  A delegada Mariell Antonini, titular da Delegacia da Mulher de Várzea Grande, destacou as dificuldades para a punição dos agressores e formas de reforçar os meios de denúncia. “Temos que expandir o aplicativo SOS para o estado. É mais um política pública que tem salvado vidas”, afirmou. A vereadora Michelly Alencar (União Brasil) também participou da audiência.  “A nossa luta contra a violência é árdua e deve ser contínua e coletiva.  Esse movimento é fundamental para que tenhamos resultados e deve ser trabalhado também dentro de casa com a conscientização e desejo de mudança”, pontuou a vereadora. 

Programação 

A programação do movimento Conecta tem atividades em Cuiabá e Várzea Grande, foi iniciada no dia 20 de novembro e segue até o dia 10 de dezembro com reuniões, rodas de conversa, palestras, chá com bolo, panfletagem nos shoppings, audiência pública e sessão solene na Câmara de Vereadores de Cuiabá, curso de educação financeira e empreendedorismo, bazar e caminhada pela erradicação da violência contra meninas e mulheres.  

A Lírios 

A Liga de Reestruturação das Irmãs Ofendidas no Seu Sentimento (Lírios) é uma entidade sem fins lucrativos que, desde 2013, oferece atendimento psicossocial a mulheres vítimas de violência doméstica e sexual e também aos seus filhos. O serviço é prestado de segunda a sexta-feira, em horário comercial, em um espaço cedido. Atualmente, cerca de 60 pessoas são atendidas por mês, sendo que mais de 13 mil meninas e mulheres já foram beneficiadas com terapias psicológicas, cursos de empreendedorismo, palestras, entre outras atividades. Outras informações: (65) 99319-4698 Instagram: @lirios.mt e @movimentoconectabrasil

Comente esta notícia

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do A Notícia MT (anoticiamt.com.br). É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site A Notícia MT (anoticiamt.com.br) poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

image