15 de Junho de 2024

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO

POLÍTICA Terça-feira, 12 de Dezembro de 2023, 10:27 - A | A

Terça-feira, 12 de Dezembro de 2023, 10h:27 - A | A

RECADO DADO

Júlio Campos: "Deputados terão aumento nas emendas, queira o governador ou não"

ESTADÃO MT

Presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), o deputado estadual Júlio Campos (União) mandou recado ao governador Mauro Mendes (União) quanto ao aumento de 1% para 2% das emendas impositivas aos 24 deputados estaduais. Ele lembra que por se tratar de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) não necessita do aval do Executivo.

"Esse é um direito Constitucional que nós vamos implantar, queira o governador aceitar ou não. É uma decisão que esta Casa tomou pela sua ampla maioria de mais de 21 membros dos 24. Não houve contestação nenhuma dos que estavam no plenário, todos voltaram a favor", avisou ele, durante entrevista ao Veja Bem MT.

 

Quer ficar bem informado em tempo real? Entre no nosso grupo e receba todas as noticias (ACESSE AQUI).

A Lei Orçamentária Anual (LOA) 2024 enviada pelo Executivo não contém o reajuste das emendas. Segundo Júlio, o parlamento irá incluí-lo.

"O governo resiste a nos equiparar ao Congresso Nacional, que tem 2% da receita líquida para apresentar emendas parlamentares, que não é para o deputado. [Não pegamos um] tostão dessa emenda. É para mandar aos municípios, aos hospitais de câncer, às entidades sociais e para as PAEs. O deputado tem mais sensibilidade, é mais cobrado nas bases. Ou seja, 2% da receita líquida do Estado, do orçamento de 2024 tem que ser alocado com emendas impositivas por parte dos deputados", avisou.

Conforme Júlio, a Assembleia irá destinar 50% das emendas para à saúde. "Então, não há o porquê contestar. E eu tenho certeza que o governador concorda plenamente com essa atitude, porque ninguém vai jogar dinheiro fora. E, se é dinheiro, não vem para o deputado. Nós vamos mandar para as entidades sociais e dos quais é bom que se diga. 50% dessas emendas serão obrigatoriamente destinadas à saúde pública, que é o maior clamor", comentou.

Por fim, ele diz que a saúde de Mato Grosso vai mal. "Não é a saúde de Cuiabá que vai mal, não é a saúde de Várzea Grande, é toda a saúde pública de Mato Grosso que vai mal", concluiu.

Em outubro, o governador Mauro Mendes (UB) ingressou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no STF para não pagar o aumento de 2% em emendas impositivas.

Com esse reajuste, o Estado terá que desembolsar quase R$ 600 milhões para as emendas impositivas dos 24 deputados em 2024. E cada deputado que antes recebia R$ 10,8 milhões, passaria a receber cerca de R$ 22 milhões.

Comente esta notícia

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do A Notícia MT (anoticiamt.com.br). É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site A Notícia MT (anoticiamt.com.br) poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

image