24 de Junho de 2024

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO

POLÍTICA Terça-feira, 26 de Dezembro de 2023, 10:32 - A | A

Terça-feira, 26 de Dezembro de 2023, 10h:32 - A | A

AÇÃO

Justiça absolve Fávaro e extingue processo que envolve a Sema

Redação

A Justiça julgou improcedente a ação civil pública proposta contra o senador e ministro Carlos Fávaro por improbidade administrativa, proposta em 2018, pelo Ministério Público de Mato Grosso. A decisão foi proferida no dia 15 de dezembro pelo juiz Bruno D ‘Oliveira Marques da Vara Especializada em Ações Coletivas.

A decisão acolheu a tese de defesa que sustentou a ausência de improbidade , pois não restou comprovado qualquer ação comissiva ou omissão que pudesse caracterizar ato atentório aos princípios da administração pública.

Quer ficar bem informado em tempo real? Entre no nosso grupo e receba todas as noticias (ACESSE AQUI).

Consultados, os advogados Leandro Facchin e Gilberto Gomes da Silva, responsáveis pela defesa do ministro, que na época, respondia pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), disseram que os argumentos .foram contundentes e esclarecedores. “Nas contestações, conseguimos convencer o Ministério Público que não existiu ato passível de justificar a imputação de improbidade nas ações de Carlos Fávaro, que na época era secretário da pasta”, pontua Facchin.

Na decisão, consta que o Ministério Público Estadual se manifestou pela extinção do processo em relação a todos os requeridos, sem resolução do mérito, face à ausência do interesse de agir, nos termos do art. 485, inciso I, do Código de Processo Civil, sob o argumento de que “... não se verifica mais a existência de prática de atos atentatórios à probidade administrativa aptos a ensejarem a continuidade desta ação nos termos da Lei no 8.429/92.”

No entanto, o juiz decidiu por julgar o mérito da ação, considerando que Carlos Fávaro não praticou os atos que lhe foram imputados.

 

A ação

Na ação inicial, o Ministério Público relata que a Secretaria de Estado de Meio Ambiente, por meio de ações fiscalizatórias no Parque Estadual Ricardo Franco, realizou três operações até junho de 2016, com levantamentos e vistorias, resultando na lavratura de 55 autuações por danos ambientais praticados pelos proprietários de fazendas no local.

Na época, o MP alegou que o trabalho de fiscalização foi prejudicado pelos requeridos, que teriam praticado “condutas dolosas com o fim de obstaculizar a ações necessárias para implantar, gerir e fiscalizar, efetivamente, o Parque Estadual Serra Ricardo Franco”, incidindo em evidente “violação ao dever de ofício e aos princípios administrativos, com o nítido propósito de proteger os proprietários localizados no interior da Unidade de Conservação e encobrir os danos e crimes ambientais dos mesmos” , consta em um dos trechos da decisão.

“Mas com os argumentos apresentados na defesa, ficou demonstrado que não houve condutas dolosas ou lesivas e, com isso, o juiz acolheu e declarou a improcedência da ação”, enfatiza o advogado Gilberto Gomes da Silva.

Comente esta notícia

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do A Notícia MT (anoticiamt.com.br). É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site A Notícia MT (anoticiamt.com.br) poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

image