13 de Julho de 2024

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO

GERAL Quinta-feira, 26 de Setembro de 2019, 14:16 - A | A

Quinta-feira, 26 de Setembro de 2019, 14h:16 - A | A

120 DIAS PRESO

Arcanjo já está no semiaberto

O Bom da noticia

Com tornozeleira eletrônica e medidas cautelares João Arcanjo Ribeiro ganhou a liberdade - novamente - na noite desta quinta-feira (25). Ele foi solto, por volta das 21h, depois de 120 dias preso na Penitenciária Central do Estado (PCE).

 

A decisão foi tomada e divulgada à imprensa nesta terça-feira (25), pela Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça.

 

O desembargador Rui Ramos entendeu que faltam indícios de que Arcanjo tenha participado de disputa entre duas organizações criminosas por espaço do jogo do bicho no Estado.  O voto foi seguido pelos desembargadores Pedro Sakamoto e Marcos Machado. Com a determinação, João Arcanjo volta a cumprir pena no regime semiaberto.

 

De acordo com o relator do habeas corpus, Rui Ramos, Arcanjo era o único dos acusados que continuava preso e afirmou que faltam indícios de sua participação nos crimes

Arcanjo e mais 32 pessoas foram presas no dia 29 de maio deste ano, na operação Mantus, que desarticulou duas organizações criminosas do jogo do bicho. Até ontem (25), Arcanjo era o único dos investigados que continuava atrás das grades. 

 

O Habeas Corpus foi impetrado pelos advogados Fábio Lessa e João Victor Gomes de Siqueira. Entre os argumentos da defesa está a ilegalidade da 7ª Vara Criminal em julgar o crime. Os advogados ressaltam que Arcanjo já goza da liberdade restrita, já foi sentenciado e cumpre pena em regime aberto desde fevereiro de 2018.

 

“Arcanjo e família foram escrutinados por esta operação. Ele está sendo monitorado a lupa e nada foi encontrado. Após passar quase 15 anos preso está buscando ressocialização, não havendo motivos para retorno ao sistema prisional”, destaca trecho do pedido. 

 

A operação

 

A operação Mantus cumpriu 33 mandados de prisão expedidos pelo juiz da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Jorge Luiz Tadeu. As investigações apontaram a existência de duas organizações criminosas que disputavam espaço do jogo do bicho no Estado.

 

Uma delas, a empresa Colibri, era liderada por Arcanjo e o genro Giovanni Zem, de acordo com as investigações. A concorrente, a FMC Ello, era do empresário Frederico Müller Coutinho. Os investigados respondem pelos crimes de organização criminosa, contravenção penal do jogo do bicho, extorsão, extorsão mediante sequestro e lavagem de dinheiro.

Comente esta notícia

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do A Notícia MT (anoticiamt.com.br). É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site A Notícia MT (anoticiamt.com.br) poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

image