28 de Maio de 2024

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO

SAÚDE Terça-feira, 22 de Novembro de 2022, 15:21 - A | A

Terça-feira, 22 de Novembro de 2022, 15h:21 - A | A

NOVEMBRO ROXO

Prematuridade de bebês pode ser prevenida com cuidados até antes da gestação

Redação

Há um ano, Caroline de Souza Ibanez, de 27 anos, não conseguiria imaginar tudo o que aconteceria em sua vida. Ela estava começando a namorar seu marido Wellington quando engravidou. Fez o acompanhamento pré-natal sem nenhuma intercorrência até as 32 semanas de gestação.

Neste período, começou a ter pressão alta e iniciou o tratamento com medicamentos. No dia do seu aniversário, 7 de outubro, teve uma crise de hipertensão e foi levada ao hospital e, uma semana depois, o Murilo chegou ao mundo com 34 semanas e 2kg.

Quer ficar bem informado em tempo real? Entre no nosso grupo e receba todas as noticias (ACESSE AQUI).

“Quando fui internada não pensei que estava mal. Somente na outra semana, quando a médica disse que faria a cesárea é que a ‘ficha caiu’. Fiquei muito preocupada com tudo o que poderia acontecer a partir de então, mas, ao mesmo tempo, fui muito amparada por todos os profissionais”, lembra Caroline.

Ela foi liberada para ir para casa dois dias depois da cirurgia, mas Murilo ainda ficou internado por 14 dias. “Foi um período de felicidade pela chegada dele, mas de angustia, de tristeza e até culpa, porque o Murilo era tão pequeno e estava cheio de aparelhos”, conta a mãe.

O Murilo, que hoje tem pouco mais de um mês de vida, foi um bebê prematuro, ou seja, quando os bebês nascem antes de completarem 37 semanas de gestação. De forma geral, a taxa de prematuridade está entre 10% a 15% e o nascimento “antes da hora” pode ser prevenido, segunda a médica pediatra Paula Helena de Almeida Gattass Bumlai, gestora médica da UTI NeoNatal do Hospital Santa Rosa.

Para conscientizar sobre a prevenção da prematuridade é que o mês de novembro foi escolhido para a campanha Novembro Roxo. “Se possível, os cuidados devem começar antes da concepção e seguir durante todo o pré-natal. A prevenção da prematuridade requer que a mãe tenha condições de gerar a criança com cuidados nutricionais, físicos e mentais. Consultas com ginecologista também são indicadas para saber se há algo que necessite atenção. O acompanhamento pré-natal é fundamental para saber como o bebê está sendo gerado e atender ambos caso precisem de alguma intervenção”, explica a médica.

Segundo a especialista, são consideradas gestações de risco com condições de levarem à prematuridade as de adolescentes, gestantes com idade avançada (por definição, acima de 35 anos), gestação de gêmeos e ainda filhos de mães diabéticas ou com pressão alta descontrolada, que foi o que aconteceu com Caroline a partir da 32ª semana.

Referência em atendimento a prematuros

O Hospital Santa Rosa é referência em gestantes de alto risco e, por isso, o número de bebês prematuros atendidos no hospital vem crescendo – hoje está em 17%. “Por sermos um hospital de alta complexidade, atendemos gestantes com comorbidades graves. E, desta forma, há mais atendimentos a bebês prematuros, que tem menor idade gestacional e probabilidade maior de necessitar de UTI neonatal e equipe especializada”, explica a médica Paula.

A equipe multidisciplinar é formada por médicos, enfermeiras, fisioterapeutas, nutricionistas, farmacêuticas, fonoaudiólogas. “São profissionais com entendimento dos cuidados com o paciente neonatal que é, inclusive, diferente do pediátrico. Precisamos de equipamentos e materiais específicos para esta faixa etária e de peso, que muitas vezes está abaixo de 1,5kg”, informa.

Entre as necessidades diferenciadas, a gestora explica que estão sensores menores, monitores específicos, incubadora aquecida e umidificada (semelhante ao útero), aparelhos de fototerapia, ventilador mecânico, entre outros. “O prematuro, geralmente, tem dificuldade de respirar, então é preciso dar esse suporte e é importante que máquinas e equipamentos modernos levem menos agressão possível para este pequeno pulmão”, conta a médica.

Murilo, filho de Caroline, teve apneia, ou seja, dificuldade para respirar, e uma infecção e foi para a UTI neonatal. “Só consegui me tranquilizar depois de uma semana de internação dele, pois via que estava evoluindo e as equipes médica e de enfermagem sempre me deram segurança e informações claras sobre o quadro do Murilo”, recorda Caroline.

Atualmente, o Hospital Santa Rosa tem capacidade de atender 13 pacientes na UTI infantil. Além disso, caso haja necessidade de atendimento de outras especialidades, a instituição conta com especialistas em cirurgia pediátrica, nefrologia pediátrica, cardiologia pediátrica, entre outros.

Com todos estes acompanhamentos e a modernidade tecnológica utilizada para acompanhamento e tratamento de prematuros, o índice de mortalidade é aceitável, gira em torno de 7%. Paula explica que bebês acima de 34 semanas tem grande expectativa de vida, acima de 30 semanas tem boa expectativa e, abaixo deste período, têm maiores riscos.

Comente esta notícia

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do A Notícia MT (anoticiamt.com.br). É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site A Notícia MT (anoticiamt.com.br) poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

image